Tenho a psicologia como opção profissional, exercendo-a por trinta anos, nos quais frequentemente me deparo, para não dizer sempre, com pessoas deprimidas, ansiosas, e extremamente cansadas pelo simples fato de viver

Minha sábia mãe, desde cedo me ensinou algo que mais tarde fui aprender em simpósios e congressos, mas que na sua simplicidade, pode ser esclarecido da seguinte forma: nossa vida será tão difícil de acordo com a atitude que adotamos diante dos problemas e desafios que nos são colocados diariamente. Quando estamos conscientes desse fato, podemos transmitir este modo de fazer escolhas aos nossos filhos, amigos, companheiros e demais pessoas sob nossa influencia.

Que escolhas serão essas? Poderemos tomar a decisão de não nos ofendermos diante de agressões que consideramos injustas? Iremos nos colocar de forma esperançosa e positiva diante de fatos terríveis como a perda de quem amamos, doenças, problemas financeiros e emocionais? Seremos capazes de perdoar, quando somos injustiçados, recomeçar a cada dia quando o trabalho nos cansa e desagrada? Ou quando não conseguimos alcançar um objetivo tão almejado? Permitiremos o auto perdão, seremos capazes de receber criticas sem nos irar ou auto comiserar? Esperaremos com um mínimo de confiança a ação do tempo sobre nossas necessidades e desejos? Aceitaremos nossos limites físicos, emocionais, intelectuais e existenciais de forma respeitosa?

Encontro nas escrituras verdades absolutas. Ao examina-las atenciosamente, encontro tesouros inefáveis que em nada contrariam os pressupostos científicos que o mundo ocidental tanto valoriza, em detrimento das manifestações espirituais e sensoriais, assim como a importância dos sentimentos, percepções e intuições inerentes ao ser humano. Amo as escrituras porque são fonte inesgotável de conhecimento, sabedoria e poder. Esses atributos, que através desses registros podemos desenvolver, irão nos servir de ponte, abrigo, força e discernimento diante de um mundo que exige cada vez mais, e oferece sempre menos, em termos de paz, segurança e bem estar. Estas se revelam não somente nos livros e textos, mas também no conselho prestimoso de lideres em que depositamos o crédito de serem inspirados por um Pai amoroso e atento às dificuldades de seus filhos.

Siga-me!

Suzana Mcauchar

Membro da Igreja há 35 anos, é casada e mãe de dois filhos. Psicóloga credenciada nos Serviços Familiares SUD. Serve como 1ª Conselheira na Sociedade de Socorro e como Professora na Escola Dominical. Trabalha com políticas públicas na Prefeitura de Juiz de Fora, além de ser professora universitária.
Siga-me!