Aleah Ingram, traduzido por José Eduardo Marcondes

Eu morei em seis estados e compareci a 16 diferentes alas ou ramos, apenas nos últimos 6 anos! Eu amo conhecer novas pessoas. Por causa disso eu constantemente saio com os missionários e visito os membros. Eu conheci muitos grandes membros dos Estados Unidos. E infelizmente, eu conheço muitos que são, ou foram, menos ativos. E isso é porque eles esquecem de uma simples verdade.

A Igreja é verdadeira, apesar dos membros.

Na maioria das igrejas Cristãs, você só vai por causa dos membros. A Igreja é menos uma instituição e mais um encontro social. Se você não gosta dos membros ou do pastor você simplesmente encontra uma nova igreja ou para de ir. Para a maioria dos Cristãos, os membros de suas igrejas são “A Igreja”.

Na Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias esse NÃO é o caso. A Igreja Mórmon é uma estrutura de doutrina, ordenanças do sacerdócio e convênios. O Senhor Jesus Cristo, Ele mesmo, declarou que a Igreja é “a única verdadeira e viva igreja sobre a face de toda a Terra”. Ela é verdadeira porque suas fundações não são pessoas, mas doutrinas e princípios, sendo Jesus Cristo a pedra fundamental a chefiá-la. Cada um de nós pode, e deve, adquirir um testemunho da veracidade do Livro de Mórmon. E desta forma adquirir um testemunho do chamado profético de Joseph Smith e da realidade da Igreja Restaurada.

O problema vem quando nós comparamos a ‘igreja’ com os membros da igreja ou a cultura. Certamente muitas pessoas são parte da igreja, mas isso não faz com que elas sejam a igreja. Se nós erroneamente pensarmos que a verdadeira igreja vai ser cheia de pessoas verdadeiras e perfeitas nós vamos rapidamente nos desapontar. Nós vamos ficar ainda mais desapontados se nós pensarmos que todos os líderes da igreja são perfeitos.

Sobre esse tema Élder Jeffrey R. Holland, um apóstolo do Senhor ensina. “Com exceção de Seu perfeito Filho Unigênito, as pessoas imperfeitas sempre foram tudo o que Deus teve para usar em Sua obra. Isso deve ser terrivelmente frustrante para Ele, mas Ele sabe lidar com isso. E devemos fazer o mesmo.” (abril 2013, Eu Creio, Senhor.)

Ficando ofendidos vs Mantendo os Convênios

Quando nós compreendemos que a igreja não é a cultura ou apenas as pessoas, mas também uma estrutura de doutrinas, ordenanças do sacerdócio e convênios; nós não vamos deixar uma ofensa sobrepor um convênio. Uma das coisas mais tristes que eu já testemunhei foi ver alguém que abandona seus convênios porque um líder ou membro foi ofensivo.

Eu testemunhei líderes e membros dizerem e fazerem coisas horríveis. Ele fizeram isso comigo ou com minha família. As ações de um Bispo puseram meu pai na prisão! Mas eu não vou deixar que as ações do homem se sobreponham aos convênios que eu fiz com Deus. Ou minha mãe, por exemplo. Quando ela estava pesquisando a igreja ela recebeu um testemunho da verdade. No seu primeiro domingo na igreja ela descobriu que a filha do Bispo era a garota que sempre praticava bullying contra ela no colégio! Ao invés de achar que isso fosse um obstáculo ou um motivo para não ser batizada ela se manteve fiel à verdade e foi batizada. E eu sou eternamente grato por isso!

A escolha é simples, eu vou escolher ficar ofendido? Ou eu vou escolher manter meus convênios? É uma coisa ou outra. Nós não podemos ficar ofendidos com os líderes do Sacerdócio e manter nossos convênios.

Nesse tópico sobre ficar ofendido, eu vou me referir a Brigham Young, que ensinou. “Aquele que fica ofendido quando não houve intenção de ofender é um tolo, e aquele que fica ofendido quando a ofensa foi intencional é um tolo ainda maior.”

Porque ficar ofendido o faz um tolo? Porque você ou fica ofendido ou mantém os seus convênios. Eu nunca conheci alguém que tenha escolhido ficar, e tenha ficado, ofendido sem ter se tornado menos ativo; seja nos seus testemunhos, seja na sua atividade. Sabendo disso, ficar ofendido é sempre uma tolice!

Conclusão:

Tente e deixe os outros tentarem!

O propósito da Igreja é nos ajudar a nos converter ao Evangelho de Jesus Cristo. E David O. McKay ensinou “O propósito do evangelho é fazer dos homens maus bons e homens bons melhores.” Compreender que um Santo é apenas um pecador que se mantém tentando é a chave. À medida que nós tentamos, nós deveríamos deixar os outros tentarem também!

“Se não tentarmos, seremos apenas pecadores dos últimos dias. Se não perseverarmos, seremos desistentes dos últimos dias; e se não permitirmos que as outras pessoas continuem tentando fazer o melhor, seremos apenas hipócritas dos últimos dias.” Dale G. Renlund (abril 2015, Santos dos Últimos Dias, Continuem Tentando Fazer o Melhor)

Porque nós somos todos pecadores, a igreja vai sempre ser cheia de pecadores! Mas vamos continuar tentando para que sejamos santos! Na verdade a igreja é um hospital para pecadores! E assim como você não vai a hospitais procurando pessoas saudáveis, não espere que todos na igreja sejam perfeitos. Vamos compartilhar nosso amor com aqueles que são menos ativos e vamos trazê-los de volta para casa!

PS.: existem outros motivos que fazem as pessoas se tornarem menos ativas, essa é apenas a razão número 1. Eu estou atualmente escrevendo um artigo sobre a razão número 2: Erros de compreensão da doutrina.

Se você gostou desse artigo, você vai amar “7 princípios de revelação pessoal que todo Santo dos Últimos Dias precisa saber!” (em inglês).

Siga-me!

Eduardo Marcondes

É jornalista há 20 anos, com ênfase na atuação em Rádio e Televisão. Foi repórter, editor e apresentador, com passagens por praticamente todas as emissoras com sede na capital paulista, entre elas o Grupo Bandeirantes e o SBT. Atualmente faz trabalhos de textos em parceria com alguns empresários e escreve regularmente na internet há pouco mais de ano.
Siga-me!