Recentemente, muito tem sido comentado a respeito da forma com que A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias utiliza e administra seus recursos financeiros, levando alguns membros da Igreja a um choque de opiniões e conclusões precipitadas baseadas em grande parte em mentiras, verdades, meias verdades e consequentemente, conclusões tendenciosas.

Ao discorrer sobre o assunto quero lembrar um alerta do Elder Oaks na última Conferência Geral: “Outro destruidor em potencial das raízes espirituais, acelerado pela tecnologia atual (entre outras coisas), é a visão limitada sobre o evangelho ou a Igreja. Essa visão se detém em uma doutrina ou prática particular ou na visível deficiência de um líder, ignorando a visão mais ampla do plano do evangelho e dos frutos pessoais e comunitários dessa colheita. O Presidente Gordon B. Hinckley fez uma vívida descrição de um dos aspectos desta visão limitada. Falou a uma plateia da BYU a respeito de comentaristas políticos “ardendo em indignação” em um noticiário a que assistira. “Com astúcia ensaiada, despejaram a acidez de sua injúria e ira. (…) ‘Certamente’”, concluiu, “esta é a época e o local de talentosos aproveitadores disfarçados”. Em contrapartida, para estarmos firmemente enraizados no evangelho, devemos ser moderados e cuidadosos em fazer críticas, e sempre buscar uma visão mais ampla da majestosa obra de Deus.”

Exploraremos nesse artigo o assunto, de maneira a tornar claro o que é fato e o que é mito, sobre o Shopping Center City Creek, localizado em Salt Lake City, nos Estados Unidos.

1. Possui a Igreja de Jesus Cristo um Shopping em Salt Lake City?

Sim. De fato, a Igreja de Jesus Cristo, através de um dos seus braços imobiliários, o Property Reserve, Inc., possui em parceria com a “Taubman Company”, um Shopping Center em Salt Lake City, denominado “City Creek Mall”. O desenvolvimento do City Creek Center foi parte de uma estratégia de desenvolvimento econômico que visava revitalizar á área central de Salt Lake e fortalecer e ampliar o movimento nos arredores do Templo.[1]

2. Qual foi o custo do desenvolvimento do City Creek Center?

Ao contrário dos dados equivocados amplamente compartilhados na Internet, o valor total do projeto foi de US$ 1.5 bilhões e não US$ 5 bilhões.[2] O valor de US$ 5 bilhões se refere ao custo da revitalização total do centro da cidade, o qual o City Creek Center faz parte.[2]

3. Utilizou a Igreja dinheiro dos dízimos no desenvolvimento desse projeto?

Nenhum dinheiro de dízimos foi utilizado nesse projeto. A Igreja tornou isto claro em diversas ocasiões, inclusive em uma de suas revistas oficiais “Ensign”:

“A Igreja anunciou pela primeira vez, há três anos, que estava planejando reestruturar a zona central da cidade para dinamizar a economia da cidade que abriga a sua sede e para reforçar a área perto da Praça do Templo. Nenhum dinheiro do dízimo será utilizado na reconstrução.”[4]

4. De onde então provém o dinheiro utilizado pela Igreja nesse projeto?

Com o objetivo de manter-se financeiramente estável, a Igreja tem investido por mais de um século em diferentes ramos lucrativos como imobiliário, pecuária, agricultura, comunicação, educação etc, proporcionando assim os meios financeiros pelo qual diversos programas da Igreja podem existir. Tal estabilidade financeira é essencial para que o propósito primário da Igreja de pregar o Evangelho e abençoar os filhos de Deus possa ser alcançado.

Em outras palavras, há muito mais sabedoria em utilizar recursos de maneira a multiplicá-los e consequentemente multiplicar o número de bençãos dos programas de bem estar e crescimento da Igreja do que simplesmente guardá-los em uma conta bancária. Este princípio é claramente ensinado pelo próprio Cristo na conhecida Parábola dos Talentos. [5]

Para complementar o Presidente Brigham Young declarou: “Para que servem as riquezas? Para abençoar, para fazer o bem. Apliquemos, então, o que o Senhor nos dá no melhor interesse possível para edificar o Reino de Deus, promover a verdade na Terra, a fim de que vejamos e desfrutemos das bênçãos da Sião de Deus aqui nesta Terra. (DBY,p. 307) Se, por meio da industriosidade e de negócios honrados, vocês conquistarem milhares ou milhões, pouco ou muito, terão a obrigação de usar tudo o que for colocado em suas mãos, tão criteriosamente quanto souberem, para edificar o reino de Deus na Terra. (DBY, pp. 313–314) Se tivéssemos milhões em dinheiro e dedicássemos esses recursos à construção do reino de Deus e a fazer o bem a Suas criaturas, com os olhos fitos em Sua glória, seríamos tão abençoados e teríamos tanto direito à salvação quanto o pedinte que esmola de porta em porta. O rico fiel tem tanto direito às revelações de Jesus Cristo quanto o pobre fiel. (DBY, p. 314)”

Para finalizar este tópico, A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias é o Reino de Deus na Terra e precisa estar independente (D&C 78:14), autossuficiente e preparada para a Segunda Vinda de Cristo e o Milênio.

5. São os padrões da Igreja requeridos nas empresas presentes no Shopping?

Como mencionado anteriormente, o City Creek Center não pertence unicamente à Igreja, tendo sido o projeto desenvolvido em parceria com a “Taubman Company”. Dessa forma, apenas estabelecimentos localizados em áreas cujo dono é a Taubman Company não estarão sujeitos à padrões SUD e determinarão seus próprios horários de funcionamento. Todos os estabelecimentos localizados em áreas pertencentes à Igreja manterá os padrões da Igreja em relação à não utilização de álcool ou funcionamento aos Domingos. [6]

6. Quais foram os efeitos causados pelo projeto para a comunidade?

Sem dúvida o projeto tem se mostrado de grande valor tanto para a Igreja como instituição, como para a comunidade local. O projeto criou mais de duas mil oportunidades de trabalho, melhorando a qualidade de vida de membros e não membros da região e oferecendo uma melhor experiência às milhares de pessoas que visitam o Templo de Salt Lake todos os anos.[7]

7. Por que ao invés disso a Igreja não utilizou os recursos em obras de caridade?

Embora este tipo de questionamento seja natural, é importante lembrar que a decisão de revitalizar o coração de Salt Lake City em nada influencia os já existentes programas de bem estar, caridade e obra humanitária da Igreja, presentes em todo o mundo. O City Creek Center não foi um “desperdício de recursos”, mas um investimento que abençoa tanto a comunidade local, quanto provê recursos contínuos que tornará possível apoiar os propósitos da Igreja no futuro.

Críticos que insistem em utilizar o desenvolvimento do City Creek Center como uma maneira de atacar a integridade da Igreja em relação à utilização de seus recursos, visivelmente ignoram características praticamente únicas do bem estar e autossuficiência presentes na Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

Quantas religiões no mundo você conhece que financia estudos de seus membros a taxas de juros baixíssimas como o programa “Fundo Perpétuo”? Quantas religiões no mundo possuem programas como o SRE (Serviços de Recursos de Emprego SUD) que ajudam membros da Igreja a tornarem-se autosuficientes e independentes financeiramente? Quantas religiões no mundo possuem serviços de ajuda humanitária e caridade tão eficientes e organizados, que abençoam pessoas em mais de 150 países? Quantas pessoas já foram abençoadas com a oportunidade de servirem uma missão, mesmo sem ter condições financeiras para tal?

Sem dúvida precisamos ser mais lentos em criticar e mais ágeis em ser humildes e reconhecer que muitos na Igreja, talvez você ou sua família, foram ou estão sendo abençoado por algum dos programas da Igreja, que somente são possíveis devido à estabilidade financeira que a Igreja possui e que certamente não possuiria, caso dependesse unicamente de dízimos e ofertas.

Talvez a primeira pergunta a ser feita é… Quão regularmente você tem jejuado e realizado suas próprias ofertas?

8. Quanto a Igreja já contribuiu em obras de caridade e auxílio humanitário?

Uma das divisões do departmanto de Bem Estar da Igreja é o “LDS Charity” (Caridade SUD), divisão responsável pela organização de obras humanitárias e de auxílios emergenciais em todo o mundo. Apenas entre 1985 e 2011, celebrando os 25 anos do evento que reuniu US$ 6 milhões em doações para a Etiópia, o serviço humanitário da Igreja doou:[8]

* US$ 1.4 Bilhão de Dólares em espécie
* 61,308 mil toneladas de alimentos
* 12,829 mil toneladas de suprimentos médicos
* 84,681 mil toneladas de roupas
* 8,6 milhões de kits de higiene e kits escolares

Tais recursos ajudaram mais de 30 milhões de pessoas em aproximadamente 179 países.[9]

Os impressionantes dados acima entretanto, não incluem mais de um século de programas de ajuda como o Armazém do Bispo e doações provenientes de ofertas de Jejum, que tem sido administradas desde o início da Restauração. Não incluem também serviços e materiais utilizados em projetos regulares como o “Mãos que Ajudam”, milhares de cadeiras de rodas, campanhas de vacinação e da obra contínua de jovens missionários e missionários de serviço, que em diversos países provém assistência e treinamento gratuito à população e comunidades, que se contabilizados, elevariam drasticamente as estatísticas de obra humanitária da Igreja.

Conclusão

Tendo em vista todos estes fatos, é absolutamente insensato e tolo criticar a Igreja por desenvolver projetos que melhoram a qualidade de vida de sua população local, quando muitos membros em diversas partes do mundo são direta ou indiretamente beneficiados pelas bençãos que tal estabilidade financeira da Igreja trás ao mundo. A obra missionária, assim como os diversos programas de bem estar e ajuda humanitária anteriormente citados, caminham a todo vapor por causa de tal estabilidade e boa utilização dos recursos da Igreja.

Sejamos mais vagarosos ao julgar, mais diligentes ao pesquisar informações atiradas ao vento, mais sensatos ao tirar conclusões e principalmente, mais determinados a defender o que sabemos ser verdadeiro e mais sensíveis para reconhecer que apesar das limitações da Igreja como instituição e imperfeição de seus líderes, o mundo é um lugar melhor porque o Evangelho foi restaurado.

Texto de Luiz Botelho – Algumas adições de Murilo Ribeiro

Fontes:
[1] Downtown renovation project; Doug Smeath, Deseret News; 27 de Março de 2007 http://www.deseretnews.com/article/660205772/Downtown-renovation-project.html
[2] Downtown renovation project; Doug Smeath, Deseret News; Março/2007
[3] Mormon leaders and Salt Lake City work together to transform land; Deseret News; Março/2010
[4] “Church News,” Ensign, Dezembro de 2006
[5] Mateus 25:14-30
[6] Chris Vanocur, “Will alcohol be served on Sunday at LDS Church’s new City Creek Center?” ABC4.com, Salt Lake City (19 May 2009)
[7] Caitlin Kelly, “Mormon-Backed Mall Breathes Life into Salt Lake City,” The New York Times (9 July 2013).
[8] Sarah Jane Weaver, “Fast for Ethiopia accelerated work. Church marks 25th anniversary of 1985 event that raised $6 million”. Church News, February 6, 2010. Page 4-5.
[9] LDS Charities; Bulding Hope; 2011 Fact Sheet – ldscharities.org

Siga-me!

Luiz Botelho

Luiz Botelho serviu na Missão Santa Maria e atualmente mora em Provo-Ut, com sua esposa Kelsie e filha Elisa. É certificado em Design Gráfico e Desenvolvimento Web, mas descobriu na Ciência, História, Filosofia e Teologia sua verdadeira paixão.Atualmente trabalha voluntariamente como Diretor Internacional da FairMormon, escreve regularmente para a More Good Foundation e é autor do Interpretenefita.com.
Siga-me!