Por Morgan Jones, Deseret News

Antonio Lopez e seu sobrinho Noel Lopez recentemente lançaram um negócio que eles esperam que ajude os jovens rapazes a refletirem sobre uma importante passagem de suas vidas. E para a família Lopez, esta empreitada é apenas mais um capítulo na história deles sobre o “Sonho Americano”.

Cada gravata criada pela empresa deles, The Town e co., tem um logotipo representando um país ao redor do mundo. Eles esperam que as gravatas ajudem os jovens rapazes que serviram missões para A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias a se lembrarem dos locais aonde serviram e criem oportunidades de compartilhar as experiências de sua missão. Mas para Antonio Lopez, a ideia do seu sobrinho de criar gravatas que mostram onde a pessoa serviu missão significa ainda mais.

“Noel sempre pensou fora da caixa, e quando ele me falou sobre a ideia, eu pensei que era tão bacana você poder representar onde você serviu, as pessoas, todas as experiências que você teve. Você pode expressar isso enquanto anda por aí”, disse Antonio Lopez. “E para mim, é um grande negócio porque eu tenho parentes em outro país. Então é bem legal de uma forma que você pode se expressar”

Antonio Lopez, o mais jovem de cinco filhos de Candelario e Josefina Lopez tinha 4 anos em 1989 quando sua família saiu de Sinaloa, México, e imigrou para os Estados Unidos. Hoje, ele é um dentista em West Pasco, Washington. Dois de seus irmãos mais velhos se tornaram profissionais da medicina, e seus outros dois irmãos têm negócios. Mas quando sua família chegou à América, seu pai ganhava apenas dois dólares por hora de trabalho.

“Nossa família viveu o ‘Sonho Americano’ na minha opinião”, disse Antonio Lopez. “Nós poderíamos ter saído naquela época e dito ‘Ok, isso não é para nós, vamos cair fora’ Mas havia algo que dizia ao meu pai ‘Apenas prossiga, está tudo bem’… Eu sou muito grato aos meus pais por eles terem ficado e terem me dado a oportunidade de estar aonde estou agora.”

Candelario e Josefina Lopez tinham acabado de se mudar para Quincy, Washington, quando foram apresentados aos missionários SUD. Candelario Lopez tinha sido líder do sindicado dos professores em Sinaloa e estava batalhando por um diploma de engenharia quando decidiu trazer sua família para os Estados Unidos na esperança que seus filhos pudessem ter uma educação melhor na América. Um membro da família tinha sido batizado recentemente na Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias e apresentou o evangelho à família Lopez. A família Lopez se juntou à Igreja ainda em 1989.

“A Igreja SUD mudou tudo em nossas vidas”, Antonio Lopez disse. “Meus pais sempre foram próximos, mas, realmente, a igreja mudou todo nosso perfil de vida de uma maneira que nós ficamos muito mais unidos como família, e começamos a levar os laços familiares muito mais a sério, sabendo que as famílias são eternas.”

Noel Lopez, sobrinho de Antonio (cujo pai, Candelario Lopez Jr., tinha 21 anos de idade quando a família veio aos Estados Unidos), diz que o evangelho ajudou sua família a tocar a vida em um novo país.

“A Igreja deu a eles um lugar para recorrer, para ter com quem contar e para conviver”, disse Noel Lopez. “A Igreja realmente ajudou a família a criar fortes raízes quando nos mudamos para os Estados Unidos. Graças ao evangelho, eles foram capazes de seguir adiante com essas fortes raízes e continuar a crescer e progredir daquele ponto em diante. Até hoje, nós todos amamos o evangelho.”

Seis integrantes da família Lopez serviram missões, incluindo Antonio e Noel, que serviram na missão Ohio Cleveland e na Missão Uruguai Montevideo, respectivamente.

Chegando ao final de sua missão no Uruguai, Noel Lopez, agora um estudante na Utah Valley University, percebeu que numa área em particular, missionários traziam gravatas que mostravam as cores da bandeira do Uruguai e que tinham o logotipo da seleção do Uruguai. Quando foi à reunião de sua missão depois de chegar em casa, ele percebeu que vários missionários retornados estavam usando o mesmo tipo de gravata.

Siga-me!

Eduardo Marcondes

É jornalista há 20 anos, com ênfase na atuação em Rádio e Televisão. Foi repórter, editor e apresentador, com passagens por praticamente todas as emissoras com sede na capital paulista, entre elas o Grupo Bandeirantes e o SBT. Atualmente faz trabalhos de textos em parceria com alguns empresários e escreve regularmente na internet há pouco mais de ano.
Siga-me!