Muitos de nós ouvimos e lemos uma surpreendente e corajosa declaração do 2º Conselheiro da Primeira Presidência da Igreja, Pres. Dieter F. Uchtdorf , onde ele diz que:

Se você definir como hipócrita alguém que não consegue viver perfeitamente aquilo em que ele acredita, então todos somos hipócritas.”(1)

Esta declaração nos ajuda a entender que nenhum de nós é perfeito, e já que somos todos imperfeitos, não devemos esperar a perfeição de ninguém.

Já faz muito tempo que estou lutando contra os meus defeitos e imperfeições, mas sei que estou muito longe ainda de atingir o lugar onde eu deveria estar. Têm muitos mandamentos que ainda não cumpro como deveria cumprir, mas nem por isso deixo de caminhar.

E nem deixo de acreditar que Deus, em Sua infinita misericórdia, um dia poderá me ajudar a chegar onde Ele quer que eu chegue – por mais tempo que isso demore.

No seu discurso, “Venham, Juntem-se a Nós”, o Pres.Uchtdorf estava falando que “Alguns podem dizer: “Conheço um membro de sua Igreja que é hipócrita. Eu jamais me filiaria a uma Igreja que tem alguém como ele como membro”.

O Pres.Uchtdorf concluiu sua argumentação com um inspirado e amoroso convite para os membros menos ativos, que tenham se magoado com alguém na Igreja ou para não-membros da Igreja, que talvez conheçam algum Santo dos Últimos Dias que não vive ainda à altura de um verdadeiro discípulo de Cristo:

Nenhum de nós é totalmente semelhante a Cristo como sabemos que deveríamos ser. Mas sinceramente desejamos vencer nossas falhas e a tendência de pecar. Com nosso coração e nossa alma ansiamos tornar-nos melhores com a ajuda da Expiação de Jesus Cristo.

Se é isso que você deseja, então independentemente de suas circunstâncias, de sua história pessoal ou da força de seu testemunho, há lugar para você nesta Igreja. Venha, junte-se a nós!”(1)

Logicamente, tal convite amoroso não nos exime (nós, os que estamos perseverando no Evangelho Restaurado), de nos esforçamos para viver o Evangelho cada vez melhor, pois :

Errar é humano, mas quando a borracha se gasta mais do que o lápis, você está positivamente exagerando” (2)

O Senhor Jesus Cristo proibiu-nos de julgar nosso próximo, pois não sabemos o que vai no coração de cada um dos filhos do Pai Celestial.

Não devemos julgar ninguém, e isso inclui pessoas de outra religião (ou de nenhuma religião), inclui: nosso patrão, nossa sogra, nosso genro, nossos vizinhos e todos aqueles a quem podemos ter dificuldade de aceitar suas atitudes e comportamentos.

Por mais difícil que seja, desenvolver a empatia (que é “calçar os sapatos de outra pessoa”, e colocar-se no lugar dela) é uma das maiores virtudes que viemos aprender nessa provação mortal, que chamamos “vida”.

Enquanto não atingirmos a perfeição, todo ser humano será um pouquinho hipócrita, porque ninguém consegue viver à altura de tudo o que acredita ser certo.

Da próxima vez que formos criticar alguém, vamos lembrar disso: não somos perfeitos também, e não devemos esperar a perfeição de ninguém.

E como dizia meu amigo Eraldo, “A única crítica válida é a autocrítica”.

Referências Citadas

  1. “Venham, Juntem-se a Nós”, (Discurso na Conferência Geral de Out.2013) https://www.lds.org/general-conference/2013/10/come-join-with-us?lang=por
  2. J.Jenkis
Siga-me!

Luiz Polito

Luiz Polito serviu na Missão Brasil Rio de Janeiro (1978/80). É músico e microempresário. Proprietário de um Sebo Virtual, chamado Higino Cultural. E atualmente serve como Consultor de História da Família na Ala Bauru - Estaca Bauru.
Siga-me!