E se você tivesse que ir para a missão sozinho, sem companheiro, sem treinamento no Centro de Treinamento Missionário, sem palestras missionárias para ensinar, apenas com seu testemunho, o Espírito e o Livro de Mórmon para ajudá-lo? O que você faria?

Samuel Smith, o primeiro missionário oficial da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias fez exatamente isso. Samuel, o irmão mais novo do Profeta Joseph , tinha 22 anos na época de sua primeira missão. Samuel nasceu em 13 de março de 1808. Ao caminhar sozinho para as cidades vizinhas de Palmyra, Nova York, ele carregava consigo apenas uma mochila cheia de exemplares do recém-impresso Livro de Mórmon.

Quando Samuel estava crescendo, a família Smith estudava a Bíblia e fazia orações em família. Em sua adolescência, Samuel soube que a Restauração estava acontecendo. À noite, ele se reunia com a família para ouvir Joseph falar do plano de salvação e “das grandes e gloriosas coisas que Deus lhe manifestara”. 1

Quando tinha 21 anos, Samuel foi para Harmony, Pensilvânia, onde seu irmão Joseph e Oliver Cowdery estavam traduzindo o Livro de Mórmon. Em 15 de maio de 1829, poucos dias depois da chegada de Samuel, Joseph e Oliver receberam o Sacerdócio Aarônico de João Batista e batizaram um ao outro com essa autoridade recém-conferida.

Em Harmony, Joseph mostrou a Samuel a parte do Livro de Mórmon que ele tinha traduzido e “esforçou-se para convencê-lo a respeito do Evangelho de Jesus Cristo, que estava prestes a ser revelado em sua plenitude”.

Joseph escreveu que Samuel não “se deixou persuadir facilmente a respeito dessas coisas”, portanto Samuel “retirou-se para um bosque, a fim de receber sabedoria do misericordioso Deus, por meio de secreta e fervorosa oração, a fim de poder julgar a questão por si mesmo. Em resposta ele recebeu uma revelação pessoal”. 2

Em 25 de maio de 1829, Samuel foi batizado, tornando-se a terceira pessoa desta dispensação, depois de Joseph e Oliver, a receber essa ordenança. Mais tarde, naquele mesmo ano, Samuel foi uma das Oito Testemunhas que teve o privilégio de examinar as placas de ouro. Na primavera seguinte, em 6 de abril de 1830, ele foi um dos seis membros originais da Igreja, quando ela foi formalmente organizada. Havia outros que também estavam trabalhando para divulgar o evangelho, mas em junho de 1830, Joseph designou Samuel para ser o primeiro missionário da Igreja com um chamado oficial.

Rumo ao Campo Missionário

No primeiro dia de sua missão, Samuel caminhou quarenta quilômetros. Visitou quatro casas, mas ninguém quis comprar um exemplar do Livro de Mórmon. Faminto, cansado e desanimado, parou numa estalagem naquela noite. Samuel perguntou ao estalajadeiro se ele gostaria de comprar um exemplar do Livro de Mórmon.

“Não sei”, disse o estalajadeiro. “Como foi que você o conseguiu?”

“Ele foi traduzido por meu irmão de umas placas de ouro que ele encontrou enterradas no solo”, explicou Samuel.

“Seu mentiroso! Saia da minha casa! Aqui você não fica nem um minuto com seus livros”, disse o estalajadeiro. E assim, o primeiro missionário da Igreja dormiu debaixo de uma macieira naquela noite, no chão frio e úmido. 3

Na manhã seguinte, Samuel deu um exemplar do Livro de Mórmon a uma pobre viúva que lhe ofereceu um desjejum. Depois disso, caminhou treze quilômetros e deixou um Livro de Mórmon com John Greene, um ministro metodista, que ficou com ele apenas para ver se outras pessoas que ele conhecia se interessariam em comprá-lo. A esposa do Sr. Greene, Rhoda, era irmã de Brigham Young, mas Brigham ainda não conhecia a Igreja.

Quando Samuel voltou para a casa da família Greene, duas semanas depois, ficou sabendo que o Sr. Greene não tinha encontrado ninguém interessado no Livro de Mórmon. Portanto, Samuel combinou de voltar dali a alguns meses. Quando o fez, o Sr. Greene não estava em casa, mas a Sra. Greene disse a Samuel que tinha lido o livro e “havia gostado muito”. O Espírito inspirou Samuel a deixar o livro com ela. Ela ficou tão grata que “rompeu em lágrimas”. Samuel, então, “explicou para ela a maneira mais proveitosa de ler o livro (…) que era pedir a Deus, quando o lesse, que lhe desse um testemunho da veracidade do que havia lido, e então ela receberia o Espírito de Deus, que lhe permitiria discernir as coisas de Deus”. 4

Mais tarde, a Sra. Greene insistiu que o marido também lesse o Livro de Mórmon. Ele o fez, e logo ambos foram batizados.

A Conversão de um Futuro Profeta

Em 1830, Samuel também vendeu um exemplar do Livro de Mórmon ao irmão de Brigham Young, Phinehas (ou Phineas) Young, que era pregador metodista. Quando conheceu Samuel, Phinehas voltava para casa a cavalo de um ciclo de pregação e tinha parado numa fazenda para jantar. Quando estava conversando com a família, um jovem, vestindo roupas puídas, entrou na sala. Com um livro na mão, o jovem disse a Phinehas: “Há um livro, senhor, que eu gostaria que lesse”.

“Diga-me, senhor, que livro você tem aí?” perguntou Phinehas.

“O Livro de Mórmon, ou como é chamado por alguns, a Bíblia Dourada”.

“Ah, então, ele alega ser uma revelação?” perguntou Phinehas.

O jovem abriu o livro no depoimento das Três e das Oito Testemunhas e disse: “Eis o depoimento das testemunhas sobre a veracidade do Livro”.

Phinehas leu o depoimento. Quando Phinehas terminou de ler, o jovem disse: “Se o senhor ler esse livro com um coração fervoroso e pedir a Deus que lhe dê um testemunho, saberá da veracidade dessa obra”.

Phinehas prometeu que leria o livro. Então, perguntou ao jovem qual era o seu nome.

“Meu nome é Samuel H. Smith.”

Phinehas tinha visto aquele nome! “Então você é uma das testemunhas.”

“Sim”, disse Samuel. “Sei que o livro é uma revelação de Deus, traduzido pelo poder do Espírito Santo, e que meu irmão, Joseph Smith Jr., é um Profeta, Vidente e Revelador.”

Depois de voltar para sua casa, Phinehas disse à esposa: “Tenho aqui um livro chamado Livro de Mórmon, que diz ser uma revelação, e quero que o leia e me aponte seus erros, para que eu possa expô-los ao mundo”.

Cumprindo sua promessa, ele leu o Livro de Mórmon — duas vezes em duas semanas. Em vez de encontrar erros, convenceu-se da veracidade do livro. No domingo, quando sua congregação perguntou qual era sua opinião acerca do livro “ele o defendeu por dez minutos, quando subitamente o Espírito de Deus desceu sobre ele com muita força, então de modo maravilhoso ele falou por muito tempo a respeito da importância do livro. (…) Concluiu dizendo às pessoas que acreditava no livro”. 5

Naquele verão, a família Young, inclusive Brigham, e seus amigos, a família Kimball, leram o Livro de Mórmon e acreditaram nele.

O Martírio de Seus Dois Irmãos e Sua Morte

Em 27 de junho de 1844, enquanto ainda vivia em Plymouth, Samuel soube que seus irmãos Joseph e Hyrum, que estavam na cadeia de Carthage com John Taylor e Willard Richards, estavam em perigo. Samuel dirigiu-se para Carthage com um garoto de 14 anos dirigindo uma carroça. No caminho eles encontraram uma multidão enfurecida, que os atacaram quando souberam que Samuel era irmão de Joseph Smith. O menino fugiu para Carthage com a carroça, e Samuel fugiu para a floresta”, depois de muito cansaço, e muito perigo.” 6

Ele pegou o caminho para casa e “montou um cavalo conhecido pela sua velocidade.” 7 Sua filha de seis anos de idade, Mary, lembrou-se deste momento: “Meu pai entrou na casa com muita emoção, e disse…” Acho que posso romper a multidão e chegar a Carthage” e imediatamente ele montou no cavalo e foi embora.” 8

Enquanto ele se aproximava da cidade, um homem e uma mulher fugindo lhe disse que seus irmãos tinham sido assassinados. Samuel cavalgou com maior velocidade. Alguns da multidão, esperando seu retorno, tinham se escondido em um matagal. Eles perseguiram Samuel, e atiraram nele. Uma bala passou sobre seu chapéu, mas Samuel, um cavaleiro excelente, ultrapassou-os.

Samuel foi o primeiro santo dos últimos dias a chegar à prisão naquele dia fatídico, 9 mas, infelizmente, Joseph e Hyrum já estavam mortos. A violência acabou, a multidão tinha recuado, e Samuel teve uma dor indescritível naquele momento. Um irmão ao lado de seus dois irmãos mártires que morreram pelo Evangelho de Cristo.

Samuel ajudou Willard Richards a levar os dois corpos e John Taylor, que estava gravemente ferido, para um hotel próximo da propriedade de Artois Hamilton. Naquela noite, Willard escreveu uma carta para Emma dizendo que Joseph e Hyrum estavam mortos. A assinatura de Samuel aparece ao lado da de Willard Richards e John Taylor. 10

No dia seguinte, Samuel, Willard, e Artois levaram os corpos de Joseph e Hyrum em dois vagões para a Mansion House, em Nauvoo. Samuel levou a carroça carregando o corpo de seu irmão Joseph. Uma guarda de oito homens os acompanharam. 11

Depois de Lucy ver os corpos, Samuel disse: “Mãe, eu tenho sentido uma dor terrível no meu lado desde que fui perseguido pela multidão.” 12

Embora Samuel estivesse com dor e Levira estivesse apenas algumas semanas de ter um bebê, a família se mudou para uma casa de madeira de dois andares em frente à mansão. A saúde de Samuel continuou a declinar. Em 30 de julho, apenas 34 dias depois de Joseph e Hyrum terem morrido, Samuel morreu. Sua jovem filha Mary se lembrou de como foi dizendo que “o silêncio deu lugar a soluços” 13 depois que seu pai faleceu. A causa de sua morte foi registrada como febre biliosa. 14

Levira, “uma mansa e tranqüila” mulher, deixou Susannah, Mary e Samuel Jr. com a viúva de Hyrum, Mary Fielding Smith, e levou sua bebêzinha para seus pais. Vinte e um dias depois que Samuel morreu, Lucy J.C. Smith nasceu e morreu logo depois. Levira estava doente e não pôde voltar para Nauvoo por um tempo.

Samuel H. Smith voluntariamente entregou tudo, inclusive sua vida, para ajudar a construir o reino de Deus. No Obituário de Samuel no Times and Seasons (jornal local), dizia: “Se alguma vez viveu um bom homem sobre esta terra, Samuel H. Smith era essa pessoa.” Realmente ele foi um homem de Deus.

Encha a Sua Mochila

O primeiro missionário oficial destes últimos dias não batizou ninguém e distribuiu apenas alguns exemplares do Livro de Mórmon. Samuel não sabia, na época, que aqueles dois exemplares trariam para a Igreja muitos membros fiéis, inclusive Brigham Young, que presidiu a Igreja de 1844 a 1877, e Heber C. Kimball, que foi Apóstolo de 1835 a 1868.

Tal como Samuel, você pode encher a sua mochila de exemplares do Livro de Mórmon. Depois, compartilhe-os, juntamente com seu testemunho. Como demonstrou a breve missão de Samuel, nem sempre você ficará sabendo quem será tocado pela leitura do Livro de Mórmon. Mas pode contar com a promessa de Morôni: Se as pessoas orarem sinceramente a respeito do Livro de Mórmon, Deus “manifestará da veracidade [a elas] pelo poder do Espírito Santo”. (Morôni 10:4)

Notas:
1. Lucy Mack Smith, History of Joseph Smith, org. Preston Nibley, 1958, p. 82.
2. History of the Church, Volume 1, p. 44.
3. A descrição da primeira missão de Samuel Smith foi tirada deHistory of Joseph Smith, pp. 168–171, 187–188.
4. History of Joseph Smith, p. 187.
5. A descrição da experiência de Phinehas Young foi tirada de S. Dilworth Young, “Here Is Brigham…” , 1964, pp. 50–52.
6. BH Roberts, The Rise and Fall of Nauvoo (1965), 450.
7. Walker, Unidos pela Fé, , 230.
8. Citado em Ruby Smith, Mary Bailey, 90.
9. Ver História da Igreja, 7:110-11.
10.Ver História da Igreja, 6:624-25.
12.Citado em História de Joseph Smith por sua mãe, 459.
13.Citado em Ruby Smith, Mary Bailey, 91.
14.Veja Walker, Unidos pela Fé, 234-35.

Murilo Vicente L. Ribeiro
Siga-me!

Murilo Vicente L. Ribeiro

Murilo Vicente Leite Ribeiro é blogueiro desde 2004. Tecnólogo na Área de Transito e Transportes, é graduando em Pedagogia e tem especialização em Direito Público e Privado. Criador do blog Murilovisck, ficou em segundo lugar no top blog Brasil 2012. Hoje tem uma parceria com o pro. Carlos Wizard Martins para direção do site OsMormons.com. Casado, tem dois filhos e trabalha na área de licitações públicas. É Presidente da Estaca Goiânia Brasil Sul.
Murilo Vicente L. Ribeiro
Siga-me!