Algo que não aprendemos na infância e pode nos trazer malefícios durante a vida. Quando não somos criados com limites, ou nossos pais tem dificuldade de nos ajudar a entender a importância de lidar com as perdas e em alguns momentos somos poupados por nossos pais, eles nos tiram a oportunidade de resolvermos problemas sozinhos (super proteção), nãos nos repreendem para não nos magoar e finalmente deixamos de estabelecer ou fortalecer este mecanismo tão importante em nossa personalidade.

Lembro-me de ouvir quando pequeno: é melhor que você chore agora e aprenda, para não sofrer em dobro mais tarde.

Vivemos tempos onde a baixa resistência à frustração tem trazido muita violência ao mundo; homens matando suas esposas ou namoradas, pelo fato de não terem aprendido a lidar com a perda e muitos jovem se envolvendo na criminalidade pelo fato de não ter aprendido a lutar pelos seus objetivos, sempre tiveram as coisas com muita facilidade, a falta de limites na infância, levando o ser humano a um desvio de personalidade, o qual em parte é culpa dos pais, (Provérbios 22:6), o que me dá um certo pesar (D&C 68:25).

Por estes motivos muitos de nós procuramos aumentar nosso autocontrole e nos frustramos, pois não estamos condicionados e trazemos alguns vícios da infância. Mas nem tudo esta perdido, podemos começar fazendo algo fácil: montando um quebra cabeças de 1000 peças, fazer uma caminhada diária, progressiva, começamos com 20 minutos, com a meta de em três meses estarmos caminhando 1 hora, pintura de desenhos (que é moda agora) fazer crochê, tricô, trabalhos manuais…

Isto se chama terapia ocupacional, atividade física, trabalhos manuais, lazer, pois ajudam a relaxar e nos dar condições de aumentar nossa resistência à frustração. Mas antes temos que saber através de uma auto-análise ou pedindo ajuda das pessoas com quem convivemos que elas escrevam para nós quais são nossas virtudes e defeitos e devemos ponderar sobre o conteúdo e vendo quais são os valores que nos faltam. O que é um valor? Precisamos deles para nos tornar éticos, aprendendo respeito, entendendo o amor, cortesia. Não se obtém paciência sem portarmos estes valores, eles são os mediadores de nosso comportamento.

Podemos notar que pessoas no trânsito se acham superiores às outras, todos querem estar na frente, ter prioridade, sem respeitar a prioridade dos outros, as pessoas se atropelam, nas calçadas e nos supermercados, ficando cada dia mais difícil a convivência; não existe respeito aos assentos para idosos, deficientes e nas vagas dos carros.Elas não aceitam o fato de que alguém possa ter prioridade sobre ela. Pela falta dos valores vitais para um bom comportamento (Isto se chama egoísmo).

Interessante, que mesmo pessoas educadas, Cristãs, com muito conhecimento dos acordos sociais e do Evangelho de Jesus Cristo, às vezes por uma superioridade social ou um cargo elevado em alguma instituição se acham superiores usando da prerrogativa de não fazer bom uso dos valores aprendidos.

O mundo será melhor quando, pelo menos, a maioria das pessoas puder desenvolver este mecanismo.

Siga-me!

Arnaldo Schioser

Casado a 36 anos, pai de quatro filhos, dois Netos (um a caminho). Psicólogo. Serve como Missionário de Tempo Integral de Assuntos Públicos para Área Brasileira.
Siga-me!

Últimos posts por Arnaldo Schioser (exibir todos)