Mateus 13:9, 13-16.

Quem tem ouvidos para ouvir, ouça.

Por isso lhes falo por parábolas; porque eles, vendo, não veem; e ouvindo, não ouvem nem compreendem.

E neles se cumpre a profecia de Isaías, que diz: Ouvindo, ouvireis, mas não compreendereis; e vendo, vereis, mas não percebereis.

Porque o coração deste povo está endurecido, e ouviram de mau grado com seus ouvidos, e fecharam seus olhos; para que não vejam com os olhos, e ouçam com os ouvidos, e compreendam com o coração, e se convertam, e eu os cure.

Mas bem-aventurados os vossos olhos, porque veem, e os vossos ouvidos, porque ouvem.

Imaginemos juntos:

Moisés, fugindo do poderoso Faraó do Egito, este mesmo, que trazia consigo toda a força enfurecida de seu grandioso exército; o grande servo de Deus, Moisés, olha para os lados e vê somente um deserto sem fim, mas para um único lado somente, ele avista o mar Vermelho; sim, Moisés acabara de olhar para o “impossível”, e este era o seu caminho a seguir.

Imaginemos juntos:

Ester, depois de tudo parecer estar de forma perfeita em sua vida, pois fora desposada pelo próprio rei Assuero, sobreveio a ela a trágica situação de ameaça de total extinção de seu povo; olhando para os lados, viu medo, terror, traição e poderosíssimos inimigos; no entanto, ao olhar para um lado que poucos se atreveriam, viu as portas que a levaria diante do trono do rei; era a principio, o caminho para o “impossível”, mas ainda era, o único caminho a seguir.

Imaginemos juntos:

O Jovem José Smith, cercado de um verdadeiro show de apresentações de pastores e suas igrejas; o rapaz ao olhar para os lados, viu as mais variadas ofertas de doutrinas dos homens, mas havia um lado que ninguém enxergara, era o lado do “impossível”, o lado que levava-o ao bosque sagrado.

 

Imagino, o peso mortal que desceu sobre os ombros de Moisés ao ver o Faraó e seu terrível exército e imaginar a possibilidade de seu povo ser massacrado até morte e ou, a um retorno a dura escravidão no Egito. Mas a sua fé e esperança não lhe seria em vão, logo seu povo viria a atravessar a “pés enxuto” as areias onde dantes, era o próprio mar. O caminho “impossível” se tornou o trajeto da liberdade de seu povo.

Imagino, a rainha Ester, pensando e buscando ajuda por todos os lados, mas nada encontrando; então, na serenidade que possuía pela fé em Seu Deus, a fez romper as pesadas portas que davam-na entrada a presença mortal ou salvadora diante do rei; o que era o “impossível”, na verdade lhe trouxera a salvação eterna e livramento para o seu povo.

Imagino, os quantos e tantos dias que em que o jovem José Smith vagueou entre discursos inflamados e promessas de salvação oferecidas por seitas e doutrinas dos homens; entre toda e possível confusão do mundo, certamente sua mente e seu coração sentiu o peso de duras dúvidas e aflições, mas a sua serenidade o fez, simples e humilde, e isto, o levou para o silencioso bosque, onde uma reposta divina o aguardava. O que parecia ser o “impossível” agora para ele, se fez luz e verdade.

Assim é o mundo, cega a nossa mente e o nosso coração e nos faz crer que é impossível acreditar na existência de um plano perfeito de exaltação para nós, seres imperfeitos.

Só então, quando um puro e valente facho de luz, rompendo o triste negror, desce sobre nós enquanto nos entregamos a uma humilde e sincera oração em nosso sagrado bosque do coração é que o Salvador nos ilumina com a doce verdade do evangelho e nos convida a vir e a segui-Lo. Boa parte de nós conseguiu enxergar a porta de entrada, e por ela, o batismo, muitos de nós entramos.

Todos nos sentimos em algum momento desta maneira, olhando para os lados e nada enxergando de bom que estivesse dentro de uma lógica racional para o ser humano; o Senhor age de maneiras diferentes para nos convidar a segui-lo. Precisamos aprender isto, que precisamos parar de pensar como os homens comuns pensam, e aprender com o Espírito, a pensar como um Deus em perspectiva, estes, a quem como realmente somos.

Isaías 55:8-9 – Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos, os meus caminhos, diz o Senhor.

Porque, assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos, mais altos do que os vossos pensamentos.

Lembro-me ainda, quando o caminho do “impossível” se pôs diante de mim; cheguei a uma determinada época de minha vida e a certa situação em que o mundo perdera a graça aos meus olhos, estava tanto em revolta, como também, entediado, e a única solução para acalmar a minha mente e ao meu coração, foi orar a Deus e pedir orientações, pois eu decidira me tornar em breve, membro de uma igreja.

Decidira que buscaria ajuda divina para saber qual era o que chamara de, a “melhor igreja”.

Sem imaginar o quanto Deus era bondoso e gentil, fiz uma promessa de que no próximo primeiro dia, do ano seguinte, eu teria de já estar frequentando uma nova religião, e surpreendentemente, fui aos poucos sendo preparado para a chegada de uma dupla missionária; eu não sabia, mas hoje vejo que na época, anjos se movimentaram ao meu redor de forma que eu tomasse algumas decisões e tivesse forças para buscar e manter certo grau de pureza, de forma, a ser digno da presença de uma porção maior do espírito e assim estar mais suscetível ao poder e ensinamentos de Deus.

Sem enxergar toda esta movimentação, e, ainda faltando cerca de bem menos de dois meses para vencer o prazo por mim estipulado, surgiu em minha residência, rompendo a triste e negra escuridão que permeava a minha alma, duas jovens missionárias; as mesmas estavam determinadas a fazerem a vontade de Deus e, as duas, já haviam realizado um jejum especial para reaverem o endereço de minha casa o qual haviam perdido, semanas antes.

Quando elas expuseram a mim os ensinamentos a respeito de sua crença, balancei negativamente a minha cabeça em forma de repúdio e indignação, logo, disse eu mesmo a elas, “esta é a última igreja na face da terra que a qual eu me uniria a ela”. Naquele momento, o lado do “impossível” se erguera diante de mim como um paredão instransponível; curiosamente, naquele instante, o Senhor respondera a mim quando lhe pedira para saber qual era a “melhor igreja”, mas ao ouvir que aquela era a “única igreja verdadeira em toda a face da terra”, ceguei-me, e minha estupidez se fez frente às verdades do evangelho, pois me era impossível crer em tão grandes novidades.

Nada que eu dizia a aquelas duas moças, faziam-nas desistir de mim; elas ouviram palavras de perfeita estupidez e ignorância vindas de minha própria boca, mas continuavam a sorrir-me, e outro jejum por parte delas, se fez necessário para assim, destruir as nuvens densas da apostasia que permeava a minha visão; oh, como sou grato a estas duas jovens imperfeitas, Sister Hoffmann e Sister Silvana, que se fizeram perfeitas diante de Deus o suficiente para serem o próprio “martelo do espírito” para assim, em um só golpe, estilhaçarem as “escamas da escuridão” que existiam sob os meus “olhos espirituais” (Atos 9:17-18.); naqueles dias, semelhantemente a Moisés e a seu povo no passado, andei a “pés enxuto” onde dantes era mar; sim, como a rainha Ester, em seu tempo, empurrei com as minhas duas decididas mãos, as pesadas portas que se abriam diante do duvidoso cetro de um rei poderoso; sim, e como ao jovem José Smith, elas, as missionárias enviadas por Deus, como um instrumento estimulador da fé, criaram para mim e ao meu redor, um ambiente puro e silencioso que eu pudesse receber a doce luz do alto, como um facho de luz, e trouxe-me assim, verdades eternas e um arder divino dentro do meu ser, e assim, disse eu: “Sim, agora eu sei”.

Lucas 18:27E ele disse: As coisas que são impossíveis aos homens são possíveis a Deus.

Agora imaginemos a outras três situações opostas.

Davi, O Grande.

I Samuel 18:14 – Davi se conduzia com prudência em todos os seus caminhos, e o Senhor era com ele.

O jovem Davi, após enxergar e realizar o que parecia ser o “impossível” a todo o seu povo e ao próprio inimigo, sim, derrotando o inigualável e tão poderoso Golias, homem de cerca de três metros de altura, com o tempo, perdeu o foco e assim, cegou-lhe os olhos, a escuridão.

“A história de Davi é um exemplo de tragédia, e deve servir de lição a todos os filhos de Deus, pois ele representa um homem que alcançou o clímax da graça perante Deus e desceu ao abismo da iniquidade. Que desfrutava de tudo o que a vida podia oferecer, mas, por causa do descuido e desobediência, pôs tudo a perder – até mesmo a exaltação e o direito de viver eternamente em companhia do Pai Celestial.”

Doutrina E Convênios – Manual do Aluno – Instituto, p.333.

Salomão, O Sábio.

2 Crônicas 1:1 –  E Salomão, filho de Davi, fortaleceu-se no seu reino; e o Senhor seu Deus era com ele, e o magnificou grandemente.

Para mim, Salomão está dentro de um grupo de homens que foram os mais abençoados nesta terra, ele fez o “impossível” a se formar, provavelmente um dos maiores períodos de fartura e riqueza para a grande Israel. Mas, o grande Salomão, após superar o “impossível”, perdeu o foco e assim, cegou-lhe os olhos, a escuridão.

“A consequência natural para os que se afastam do caminho do Senhor é serem abandonados à sua própria força. Embora na emoção de nosso sucesso cheguemos a supor que nossa própria força seja suficiente, aqueles que confiam no braço de carne na verdade logo descobrem quão fraca e falível ela é.

Salomão, por exemplo, a princípio, obedeceu ao Senhor e honrou Sua lei. Por causa disso, prosperou e foi abençoado não apenas com sabedoria, mas também com riqueza e honra. Se ele continuasse a viver em retidão, o Senhor prometeu que “[confirmaria] o trono de [seu] reino sobre Israel para sempre”.

No entanto, mesmo depois de receber visitas de mensageiros celestes e de ser mais abençoado do que todos os homens, Salomão se afastou do Senhor. Por causa disso, o Senhor decretou que o reino lhe seria tirado e dado a seu servo.”

Élder Joseph B. Wirthlin – Do Quórum dos Doze – A Liahona, novembro 2005 p. 16.

Lamã E Lemuel.

1 Néfi 17:45 – Sois rápidos em cometer iniquidades, porém vagarosos em lembrar-vos do Senhor vosso Deus. Haveis visto um anjo que vos falou; sim, haveis ouvido sua voz de tempos em tempos; e ele vos falou numa voz mansa e delicada, mas havíeis perdido a sensibilidade, de modo que não pudestes perceber suas palavras; portanto, falou-vos ele com voz de trovão, o que fez tremer a terra como se fosse partir-se em pedaços.

Muitos ainda que tenham oportunidades de nascer em uma família de bons pais, e cresçam sob os cuidados de uma família que viva o puro evangelho, eles ainda conseguem viver como lobos, mas com uma pele de cordeiro. Lamã e Lemuel se tornaram aos meus olhos, um símbolo da má vontade e da procrastinação, assim também como, o da discórdia e da descrença. Eles já possuíam sérias dificuldades em obedecer e em viver o evangelho, mas com o tempo e com a morte de seus pais, perderam o foco e assim, cegou-lhes os olhos, a escuridão.

Lamã e Lemuel em época alguma se converteram realmente. Conversão significa transformação do homem interior. Esta mudança requer um espírito contrito e um coração quebrantado, ou encher-se de humildade diante de Deus. Isto Lamã e Lemuel se recusavam a fazer, pois, como declarou Néfi “eram duros de coração, não procuravam o Senhor como deviam”. (1 Néfi 15:3.) Eles se negavam a submeter seus corações à vontade do Senhor; portanto, circunstância alguma poderia transforma-los. Eles ficaram impressionados com o milagroso poder demonstrado pelo irmão, mas o efeito não foi duradouro nem modificou lhes o coração, porque, como Néfi mais tarde comentou, eles haviam “perdido a sensibilidade”. (1Néfi 17:45.)

…Devemos notar também que, por diversas vezes, tornou-se necessária a intervenção divina para preservar Néfi do ódio de seus irmãos, mas nem mesmo uma demonstração direta do poder de Deus foi capaz de abrandar a dureza de seus corações. Imagine o que significa ver um anjo, e logo depois de sua partida, começar de novo a murmurar! Esta evidência confirma a parábola do Salvador, na qual ele diz: “Se não ouvem a Moisés e aos profetas, tão pouco acreditarão, ainda que algum dos mortos ressuscite”. (Lucas 16:31).

Livro De Mórmon – Manual Do Aluno – Curso De Religião 121-122, p.17; 43-44.

A mensagem que eu quero transmitir, é que ainda há, e ainda viveremos muitas outras situações em que precisaremos olhar com os olhos da fé e otimismo para caminhar em direção ao único caminho correto, e a estes caminhos, só serão possíveis de serem encontrados, por que Ele, O Cristo, que nos indicará em meio ao nosso deserto de aflições, em meio ao medo e grande confusão dentre as mais variadas doutrinas dos homens. Este caminho, o “impossível” não será seguido pelos que não possuem, ou, os que apenas possuam pouca fé. Se nas coisas pequenas não conseguirmos sermos fiéis, imaginemos o que farão os que forem desafiados a duros testes da fé, como assim solicitado.

Mateus 5:48Sede vós, pois, perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está nos céus.

Para que alcancemos o impossível, precisaremos trilhar pelos caminhos impossíveis.

Perfeito – GEE – Guia de Estudo das Escrituras

Completo, inteiro e plenamente desenvolvido; totalmente íntegro. Perfeito também pode significar isento de pecado ou maldade. Somente Cristo foi totalmente perfeito. Os verdadeiros seguidores de Cristo podem tornar-se perfeitos por meio de Sua graça e Expiação.

Aos ateus e incrédulos, o evangelho é impossível de ser vivido por nós, os mortais; mas nós não somos mais simples mortais; O Cristo, Ele já ressuscitou; Ele, Jesus Cristo, realizou o impossível para que nós o seguíssemos, o caminho do “impossível” já está pronto, e aos dignos e fiéis, todas as coisas serão reveladas.

I Coríntios 2:9 – Mas, como está escrito: As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, e não subiram ao coração do homem, são as que Deus preparou para os que o amam.  

Chegarão períodos em que nos depararemos diante de situações desconcertantes, e há alguns como uma espécie de um gigante Golias, estes, ainda não cessaram; os duros tempos de escassez, material ou espiritual, que ainda sobre nós hão de se passar, a nós, trazido pelo maligno, em forma de tentação, nos serão ofertado, as riquezas e tentações deste mundo, estas, semelhantes as que o próprio e grande Salomão se entregou, e assim, grande foi sua queda; e, outro grande perigo que está a nos espreitar, “a dureza de coração” que nos faz levar a outra armadilha mortal, “a perda da sensibilidade”, e como a Lamã e a Lemuel, então, se não nos fizermos fortes, não suportaremos o mandamento da estrita obediência. Sabendo que estas coisas ainda estão por vir, andemos não como meros mortais a vagar neste mundo triste e solitário, mas, levantemos a cabeça e olhemos para o alto, pois nas alturas que se elevam acima deste nosso céu, está à figura presente de um Pai, que é um Deus, sim, o próprio Pai Celestial, e ao Seu lado, Jesus, O Cristo. Pensemos e andemos como tal somos e como para tal fomos preparados “desde antes da fundação desta terra”; E assim, como no hino, Tal Como Um Facho, “o véu da descrença consigam(os) romper!”

Precisamos nos santificar e andar em luz e verdade para que os “vislumbres da eternidade” possam alimentar a nossa mente e ao nosso coração; para que as portas do “impossível” possam ser avistadas pelo nosso sadio “olho espiritual” e pelo poder da fé, pura e genuína, possamos enxergar e acreditar que podemos estender nosso braço ao alto e quase que, tocar “o fundo do piso da exaltação celestial”.

“Como os santos dos últimos dias imaginam a exaltação?

(…) Os santos dos últimos dias tendem a imaginar a exaltação através da visão do sagrado na vida mortal. Eles veem as sementes da divindade na alegria de cuidar e nutrir os filhos, no intenso amor que sentem por eles, no impulso de estender a mão por meio do serviço de solidariedade aos outros, nos momentos em que são pegos de surpresa pela beleza e ordem do universo, com o firme sentimento de fazer e guardar convênios divinos. Os membros da Igreja imaginam a exaltação menos por meio de imagens do que eles vão obter e mais por meio dos relacionamentos que têm agora e como esses relacionamentos podem ser purificados e elevados. E conforme as escrituras ensinam: “E (…) a mesma sociabilidade que existe entre nós, aqui, existirá entre nós lá, só que será acompanhada de glória eterna, glória essa que não experimentamos agora”. (D&C 130:2)”

Tópicos do Evangelho (https://www.lds.org/topics/becoming-like-god?lang=por&old=true)

Devemos estar tão decididos a andar sempre em frente, com pura determinação e inegável obediência ao passo de merecermos a digna e prometida exaltação dos fiéis e valentes desta terra, assim como Néfi o fez, ao ser desafiado a cumprir um difícil pedido quando estava ele, diante de Labão, que era o atual detentor das placas de latão. Ele, Néfi, ouviu o que tinha de fazer, e, ainda que lhe parecesse algo “impossível”, apenas o fez. Nos dias de hoje, seu nome é um ícone de firmeza e fiel obediência. E você, qual será o legado que deixará registrado enquanto vivo esteve nesta vida mortal e tão passageira?

*Este artigo, eu dedico as minhas fiéis amigas, as missionárias, Sister Hoffmann e a Sister Silvana, por tão nobre serviço de amor prestado ao seu próximo, em trabalhar em favor da salvação desta simples alma, a minha própria, e a de muitas outras.

Siga-me!

Cássio B. Piazzarolo

Casado, cinco filhos e uma neta; Missão Fortaleza – 1988-1990; servi e sirvo ao meu Senhor em muitos chamados; amante da verdade; empresário. Autor do blog http://riquezasdaeternidade.blogspot.com.br/
Siga-me!