A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias opõe-se a qualquer tipo de jogo de azar, inclusive as loterias promovidas pelo governo.  (ver Manual 2: Administração da Igreja, 2007, 21.1.19)

Os jogos de azar são motivados pelo desejo de se obter algo em troca de nada. Esse desejo é espiritualmente destrutivo. Ele afasta os participantes dos ensinamentos de amor e serviço do Senhor, aproximando-os do egoísmo do adversário. Ele solapa as virtudes do trabalho, da frugalidade e do desejo de se colocar esforço honesto em tudo o que fazemos.

As pessoas que participam de jogos de azar logo descobrem como é enganosa a idéia de se dar nada ou quase nada em troca de algo de valor. Descobrem que abrem mão de grandes quantias de dinheiro, da sua própria honra e até mesmo do respeito da família e dos amigos. Iludidos e viciados, freqüentemente jogam com fundos que deveriam ser utilizados para outros propósitos, tais como atender às necessidades básicas da família. Algumas pessoas se tornam tão escravizadas e tão desesperadas para pagar dívidas de jogo que se voltam para o roubo, perdendo até a reputação.

A Primeira Presidência exorta os membros a unir esforços com outras pessoas que tenham o mesmo ponto de vista para oporem-se à legalização e apoio do governo a qualquer tipo de jogo de azar.

“Desde o princípio desta Igreja o jogo foi condenado.

Já em 1842, Joseph Smith descreveu as condições em que os santos viviam no Missouri. Ele disse: “Adquirimos grandes porções de terra, nossas fazendas produziam em abundância, e havia paz e felicidade dentro de nossa família e em toda a vizinhança;

Mas como não participávamos com nossos vizinhos (…) de suas festas noturnas, sua violação do Dia do Senhor, suas corridas de cavalos e jogos de azar, eles começaram primeiro a ridicularizar-nos, então a perseguir-nos, e por fim, uma multidão enfurecida foi reunida para queimar a casa dos santos, cobrir de piche e penas e chicotear muitos de nossos irmãos, até que, por fim, em oposição à lei, justiça e humanidade, eles nos expulsaram de nossa casa”. (Comp. de James R. Clark, Messages of The First Presidency of the Church of Jesus Christ of Latter-day Saints, 6 vols. [1965–1975], vol. 1, p. 139)

Brigham Young, em outubro de 1844, disse o seguinte a respeito de Nauvoo: “Queremos eliminar todas as lojas de bebidas alcoólicas, casas de jogo e todos os outros estabelecimentos ou procedimentos desordeiros de nosso meio, e não tolerar a intemperança ou o vício entre nós”. (Messages of the First Presidency, vol. 1, p. 242.)

Os Presidentes e os conselheiros na Presidência da Igreja falaram muitas vezes a respeito desse mal. George Q. Cannon, conselheiro de três Presidentes da Igreja, disse: “Há muitos males no mundo contra os quais os jovens devem se precaver. Um deles são os jogos de azar. Existem várias modalidades desse mal, mas todas são ruins e não devem ser toleradas”. (Gospel Truth: Discourses of President George Q. Cannon, sel. Jerreld L. Newquist, 2 vols. [1974], vol. 2, p. 223)

O Presidente Joseph F. Smith declarou: “A Igreja não aprova o jogo, mas o condena firmemente como moralmente errado, e inclui nessa categoria os jogos de azar e as loterias, de todos os tipos, e desaprova veementemente a participação de seus membros nesses jogos”. (“Editor’s Table”, Improvement Era, setembro de 1908, p. 807)

O Presidente Heber J. Grant aconselhou: “A Igreja sempre desaprovou e continua desaprovando todos os tipos de jogos de azar. Ela se opõe a todo tipo de jogos de azar, profissões ou os assim chamados negócios que tirem dinheiro de uma pessoa que o possua, sem oferecer algo de valor em troca desse dinheiro. Ela se opõe a todas as práticas que tenham a tendência de (…) degradar ou enfraquecer o elevado padrão moral que os membros da Igreja, e nossa comunidade de modo geral, sempre mantiveram”. (Messages of the First Presidency, vol. 5, p. 245.)

O Presidente Spencer W. Kimball disse: “Desde o princípio fomos advertidos contra toda espécie de jogo de azar. Toda pessoa se degrada e fica prejudicada, quer ela vença ou perca, se receber algo por nada, se receber algo sem esforço, se receber algo sem pagar o preço completo”. (Conference Report, abril de 1975, p. 6; Ensign, maio de 1975, p. 6)

O Élder Dallin H. Oaks, que está conosco aqui hoje, proferiu em 1987, um discurso excelente sobre o assunto no então chamado Ricks College. Ele se intitulava “Jogos de Azar — Moralmente Errados e Politicamente Insensatos”. (Ver Ensign, junho de 1987, p. 69–75.)

A essas declarações da posição da Igreja acrescento a minha própria. A participação em jogos de azar pode parecer uma diversão inofensiva. Mas existe neles uma intensidade que realmente se expressa no rosto daqueles que estão jogando. Em muitos casos, essa prática, que aparenta ser inocente, pode conduzir a um vício real. A Igreja sempre se opôs e continua se opondo a essa prática. Se vocês nunca se envolveram em jogos de pôquer ou outras formas de jogo, não comecem. Se estão envolvidos, então parem agora enquanto podem.”

Pres. Gordon B. Hinckley – Jogos de Azar Abril 2005 (Conferência Geral)

Murilo Vicente L. Ribeiro
Siga-me!

Murilo Vicente L. Ribeiro

Murilo Vicente Leite Ribeiro é blogueiro desde 2004. Tecnólogo na Área de Transito e Transportes, é graduando em Pedagogia e tem especialização em Direito Público e Privado. Criador do blog Murilovisck, ficou em segundo lugar no top blog Brasil 2012. Hoje tem uma parceria com o pro. Carlos Wizard Martins para direção do site OsMormons.com. Casado, tem dois filhos e trabalha na área de licitações públicas. É Presidente da Estaca Goiânia Brasil Sul.
Murilo Vicente L. Ribeiro
Siga-me!