Somos um povo maravilhoso mas que de vez em quando nos importamos demais com pequenas coisas. Muitas vezes observa-se  muita preocupação em olhar (nos outros)o tamanho da roupa, se tem tatuagens, quantos brincos tem nas orelhas, se está usando biquíni na praia;  há preocupação se tomam um determinado refrigerante, se fez missão, se namora com membro ou não membro; quando na realidade, deveria concentrar-se em fazer uma “inspeção ” em sua vida .

Isso não quer dizer que devemos seguir o evangelho de qualquer maneira, de qualquer jeito, de forma “desleixada “. Significa que devemos tirar  a “trave” do nosso olho, ” E por que reparas tu no argueiro que  está no  olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu olho? (Mateus 7:3)  o julgamento não nos pertence.

É preciso concentrar-se no que realmente importa e não em observar se alguém está pintando o cabelo de cor não  natural, se tem piercings, se usa um determinado tipo de roupa, quando na nossa própria família temos problemas bem mais importantes e que realmente requer nossa atenção; muitas vezes um casamento desfazendo-se, mau uso de tecnologia, falta de amor familiar, incompreensão, relações por um fio, desestrutura… Mas observamos o tamanho das roupas, dos decotes e tantas outras coisas. Observamos o aparente e esquecemos de olhar a essência, principalmente a nossa.

O que preciso fazer para  melhorar meu lar? O que falta eu fazer? São  esses questionamentos que devemos fazer. O Senhor repreendeu naquela época e ainda está  em vigor. ” E agora te dou um mandamento :Se quiseres ser libertado, terás que pôr em ordem tua própria casa, porque há muitas coisas que não estão certas em tua casa” (D & C 93:43) Ou seja,  se passarmos a observar melhor a nossa casa, não  teremos tempo, nem disposição, nem energia de olhar as faltas alheias.

Somos incentivados a não  falar mal do nosso próximo. Temos a tendência natural do EU que é  apontar fraquezas e falhas nos outros. Não  devemos perder de vista que todos são  filhos de Deus e como tal são  nossos irmãos.

Temos que ter cuidado para que nossa aparência  de religiosidade não  esteja encobrindo o nosso coração  que pode estar muito distante de exercer o verdadeiro discipulado.

Alguém pode estar com a saia nos pés e seu amor ser curto. Pode estar coberta até o pescoço e estar desnuda de bons sentimentos para com seu próximo. Pode não beber refrigerante mas deixar de tomar a “Água da Vida”, seguindo o exemplo de Jesus Cristo. Pode não ter tatuagens na pele mas ter aquelas “Cunhas Ocultas” que tatuam a alma e “mancham”a conduta.(O perigo das Cunhas Ocultas. A liahona Julho 2007) Pode utilizar um maiô que vai até  metade das pernas e não  ser modesta ao tratar com seu semelhante. Pode não  ter mais que um furo nas orelhas, mas ter “furos” em ser honesto com seu irmão. Pode ter casado no  lugar certo, da forma correta, com um membro da igreja, Mas ainda assim ser infeliz. Pode ter feito missão de Tempo integral e não  ajudar os missionários em sua ala.

O que devemos verdadeiramente estar atentos é  para não  apontarmos o dedo para nosso próximo  (Peneirar a mosca ),  enquanto nos deparamos com tantos problemas  em nossa vida (Camelos).

Que possamos nos concentrar no que devemos fazer, no que devemos melhorar. O julgamento não nos cabe. A nós é requerido agregar e não  segregar as pessoas. Que vivamos plenamente os ensinamentos  Daquele a quem professamos seguir. ” E o seu mandamento é este:que creiamos no nome de seu Filho Jesus Cristo, e nos amemos  uns aos outros, como nos deu mandamento “. ( 1 João 3:23 )

Siga-me!

Tatiana Castro

Membro da Igreja há 25 anos. Serve como Professora na Escola Dominical e também como Professora do Instituto. É graduada em Letras Português Espanhol e tem Especialização em Leitura e Produção Textual. É casada, mãe de dois filhos: um rapaz de 18 anos, que serve na missão Brasil Manaus, e uma menina de 8 anos. É funcionária pública e ensina na rede Estadual e Municipal.
Siga-me!

Últimos posts por Tatiana Castro (exibir todos)