Se você já viu um templo d’A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (mórmons), é provável que tenha imaginado o que é e o que acontece lá dentro. Ou você pode até ter ouvido alguns boatos sobre os “estranhos” e “misteriosos” rituais que acontecem lá. Eu cresci como um membro d´A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, e eu provavelmente ouvi de tudo; e eu concordo com qualquer um que diga que os rituais são… bem malucos.

A verdade é que há um monte de conceitos errados sobre os templos mórmons, incluindo a ideia de que o que ocorre lá dentro é algum grande segredo. Ao contrário, uma seção inteira do site oficial da igreja é voltada à resposta de perguntas sobre templos e o que acontece dentro deles. Mas meu propósito aqui não é revisar todas as perguntas que sempre são feitas sobre os templos; há muitos outros conteúdos oferecendo esse tipo de informação (alguns estão listados no final deste post). Ao invés disso, eu gostaria de fazer uma abordagem mais pessoal ao compartilhar algumas das minhas próprias experiências dentro do templo e também as bênçãos que vieram por meio dessas experiências.

Participação em batismos para os mortos

Minha prradas,rimeira experiência dentro do templo ocorreu quando eu tinha 12 anos de idade e eu fui com meu jovem grupo para realizar “batismos para os mortos” no templo de Orlando, Florida. Mas antes que você comece a ter ideias e vou lhe dizer que nós não batizamos corpos nos templos (este é um dos estranhos boatos). Antes, nós somos batizados em nome de nossos ancestrais que morreram sem essa ordenança. Então, aqueles que estão à espera do outro lado têm a oportunidade de aceitar ou rejeitar.

Eu não me lembro muita coisa sobre esta primeira experiência, mas eu me recordo do forte sentimento de estar fazendo algo certo. Saindo das águas, eu compreendi pela primeira vez o que o antigo profeta Obadias quis dizer quando se referiu aos “salvadores do monte Sião”. (ver Obadias 1:21) Cristo ensinou que o batismo é essencial para a salvação (João 3:5). Mas sendo um misericordioso e amoroso Deus, o Senhor proporcionou uma maneira daqueles que, não por uma falha própria, nunca receberam o batismo enquanto estavam na terra. Nos tempos recentes, assim como nos tempos bíblicos (ver 1 Coríntios 15:29) Ele autorizou os batismos a serem realizados por representantes deles. Que grande honra e responsabilidade participar, ainda que muito jovem, de uma ordenança que literalmente oferece salvação para outro indivíduo. Trabalhar em conjunto com o Senhor em Seu trabalho de salvar Suas crianças – isso é o que realmente ocorre nos templos.

Recebendo minha investidura

Muitos anos e viagens de juventude depois, eu fui ao templo, dessa vez em Washington, D.C., por um outro propósito – para receber minha investidura. A investidura do templo é belamente simples, mas é uma simbólica ordenança onde “somos ensinados sobre o propósito da vida, a missão e a expiação de Jesus Cristo, e o plano do Pai Celestial para Suas crianças”. Como parte das ordenanças, nos fazemos convênios de manter Seus mandamentos e viver de acordo com o Seu plano. Nos então “ganhamos um vislumbre de como será viver em Sua presença” enquanto nós passamos da sala das ordenanças para a sala celestial (para imagens dessas salas, clique Dentro do Templo)

Enquanto eu viver, eu nunca vou esquecer da sensação que eu tive quando eu passei da sala de ordenança e vi meus pais sorrindo, esperando por mim na sala celestial. Eu fui tomado por uma enxurrada de emoções enquanto eu os abraçava, pensando no simbolismo – que algum dia, por meio da graça de Deus e a Expiação de Jesus Cristo, eu vou passar desta vida para ver aqueles que eu amo esperando pela minha chegada do outro lado e viveremos juntos pela eternidade na presença de Deus. Aprender sobre o nosso potencial e se comprometer a viver o plano de Deus – isso é o que realmente acontece nos templos.

Ser selado à minha Família

Já adulto eu voltei ao templo muitas vezes para participar de ordenanças adicionais, incluindo representar os meus ancestrais falecidos nas investiduras. Mas duas das mais sagradas e significativas experiências da minha vida estão conectadas com a ordenança do selamento. Primeiro eu participei diretamente de um selamento em fevereiro de 2011, quando minha mulher e eu fomos selados (ou casados) no templo de Saint Louis, Missouri, “para esta vida e para toda a eternidade”. Então no último janeiro, depois de finalizar a adoção de nossa querida filha, nós fomos abençoados em levá-la conosco para o templo em Houston, Texas, para ser selada como uma família.

Durante esses selamentos, eu me ajoelhei defronte ao altar com o amor da minha vida e, com a mão dela e da minha filha na minha, nós fizemos os tradicionais convênios juntos. Em troca, foi prometido que se nós fossemos sinceros e fiéis aos convênios que fizemos uns com os outros e com Deus naquele dia, nós estaríamos juntos como uma família não apenas nessa vida, mas também na próxima. No meu curto período nessa terra, nada chegou aos pés da doce alegria e excitação que eu senti durante essas duas experiências. Saber que nem mesmo a morte pode me separar da minha família é um das maiores bênçãos e dos maiores confortos da minha vida; é algo que eu e outros que já foram ao templo queremos que todos recebam. Aliás, essa é uma das principais razões pelas quais nós enviamos missionários para espalhar a mensagem do evangelho restaurado por todo o mundo.

Reunir as famílias juntas, em alegria, para eternidade – isso é o que realmente acontece nos templos.

Artigo de Joseph Harrison publicado em www.aggielandmormons.org. Traduzido por Eduardo Marcondes.

Site dos templos mórmons

Bênçãos do Templo

Siga-me!

Eduardo Marcondes

É jornalista há 20 anos, com ênfase na atuação em Rádio e Televisão. Foi repórter, editor e apresentador, com passagens por praticamente todas as emissoras com sede na capital paulista, entre elas o Grupo Bandeirantes e o SBT. Atualmente faz trabalhos de textos em parceria com alguns empresários e escreve regularmente na internet há pouco mais de ano.
Siga-me!