Em 1842, devido a um convite de John Wentworth (editor do jornal Chicago Democrat), Joseph Smith escreveu-lhe uma carta para publicação onde delineou a história e fé dos Santos dos Últimos Dias. Tal carta é conhecida atualmente como carta Wentworth. A carta, assinada por Joseph Smith, é finalizada declarando-se treze pontos de fé. Tais pontos são conhecidos como As Regras de Fé. No início da 13a Regra de Fé lemos: “Cremos em ser honestos, verdadeiros, …”

Vivemos numa época onde a honestidade é ridicularizada e onde atos honestos causam espanto. Títulos como trouxa ou bobo, são postos naqueles que se empenham em ser honestos. Num mundo onde o pseudo argumento do “todo mundo faz” é usado para racionalizar e disfarçar a desonestidade, os sons dos trovões do Monte Sinai ecoam através dos séculos até nós. Podemos ler no Velho Testamento: “Não seguirás a multidão para fazeres o mal; nem numa causa falarás, tomando parte com a maioria para torcer a justiça.”1

Presidente James E. Faust ensinou que “honestidade é uma bússola moral para nos guiar em nossas vidas”2

Com o advento da internet temos à nossa disposição uma infinidade de materiais como livros, músicas, programas de computadores, jogos, ilustrações, filmes, etc., e muitos deles são utilizados de forma ilegal. A lei de direito autoral do Brasil de 1998 teve em 2012 uma revisão, onde as penas para violação da propriedade intelectual foram aumentadas. O ministro Gilson Dipp, do Superior Tribunal de Justiça disse: “A propriedade intelectual hoje está sendo desprezada de forma acintosa no Brasil, num tempo de alta tecnologia que permite fraudes a esses direitos”.3

No Manual 2: Administração da Igreja no tópico 21.1.12 lemos: “Os membros da Igreja devem obedecer rigorosamente a todas as leis de direitos autorais. Geralmente, apenas o proprietário do direito autoral pode autorizar a duplicação (cópia), distribuição, apresentação e exibição pública, ou obras derivadas da sua obra. A utilização de uma obra de qualquer uma dessas maneiras sem a autorização do proprietário do direito autoral é contrária às normas da Igreja e pode também sujeitar a Igreja ou o usuário a ações legais.”

É necessário que sejamos completamente honestos para conseguir a salvação. O Presidente Brigham Young disse: “Se aceitarmos a salvação nos termos em que nos foi oferecida, teremos que ser sinceros em cada pensamento, reflexão e meditação; em nosso círculo de amigos; em nossos negócios; em nossas declarações e em todas as ações de nossa vida”4.

Não existe uma escala de honestidade ou porcentagem. Não posso dizer algo como, “numa escala de 0 a 10 minha honestidade é 9”, ou, “sou 90% honesto”. Só há duas classificações, ou a pessoa é honesta ou desonesta.

Sócrates, famoso filósofo grego disse: “Se o desonesto soubesse a vantagem de ser honesto, ele seria honesto ao menos por desonestidade. “

Atitudes simples como colar nas provas da escola ou permitir que outros o façam, assim como pequenas mentiras em casa como “diz que não estou”, contribuem para que lubrifiquemos a barra de ferro. Outros atos mais sérios como roubar o Senhor nos dízimos e nas ofertas nos colocam diretamente na névoa de escuridão da desonestidade. Falta de honestidade sempre é roubo, seja objeto ou confiança. Na peça Othello, Shakespeare tem o personagem Iago ensinando uma grande verdade:

Quem da bolsa me priva, rouba-me uma ninharia; é qualquer coisa, nada;

Pertenceu-me, é dele, escravo foi de mil pessoas.

Mas quem do nome honrado me espolia,

Me priva de algo que não o enriquece,

Mas me deixa paupérrimo.5

Honestidade está intimamente relacionada à integridade a qual se manifesta das mais diversas formas de moral. Como é triste encontrar chiclete colado nos bancos da capela, desrespeito para com professores e oradores em troca de assuntos irrelevantes no WhatsApp ou Facebook, preocupação neurótica por uma senha Wi-Fi ou 3G que leva à uma displicente conexão com o Senhor Deus.

O Presidente Kimball citou diversas maneiras onde a honestidade é simplesmente descartada:

Há aqueles que roubam casas, bancos e lojas; empregadores que não merecem confiança e empregados que () espoliam o patrão. () Há os batedores de carteiras, os sonegadores de impostos, e aqueles que são desonestos com relação aos produtos que vendem. ()

Alguns pedem emprestado mais do que podem pagar, () outros fazem promessas e convênios solenes e os negligenciam e ignoram. Há aqueles que levam toalhas de hotéis e aqueles que guardam o troco que lhes é dado a mais. Alguns são bem-sucedidos nos negócios às custas do próximo, outros furtam e roubam abertamente. ()

Há pessoas que se vangloriam por violar as leis de trânsito, enganar a polícia e cruzar fronteiras internacionais com mercadoria escondida sem pagar alfândega. ()

E há ainda aqueles que cobram demais, pagam de menos ou roubam no peso.”6

Nos primórdios da Igreja, a mulher de Thomas B. Marsh cometeu um ato desonesto que a levou, bem como a seu marido, à apostasia e excomunhão. O Elder Marsh servia nessa época como Presidente do Quórum dos Doze Apóstolos.

Quando os santos estavam vivendo em Far West, a mulher do Élder Marsh e a irmã Harris fizeram acordo de juntar o leite tirado, a fim de poderem fazer um queijo maior. Uma devia levar à outra a nata e o resto do leite. A irmã Harris cumpriu sua parte do acordo, mas a irmã Marsh guardava para si um pouco da nata do leite tirado de cada vaca. Ao se tornar conhecido, o assunto foi levado perante os mestres, que foram a favor da irmã Harris.

O irmão Marsh, entretanto, apoiou sua mulher, ficou magoado e acabou voltando-se contra a Igreja. Logo foram excomungados, por causa do ressentimento nascido de um ato desonesto.”7.

Deus nosso Pai e seu Filho, Jesus Cristo, são seres de absoluta, perfeita e completa honestidade e verdade. Somos filhos e filhas de Deus. Nosso destino é nos tornarmos como Ele. Procuramos ser perfeitamente honestos e verdadeiros como nosso Pai e Seu Filho. Honestidade descreve o caráter de Deus e, portanto, honestidade está no coração de nosso crescimento espiritual e dons espirituais.

Jesus declarou, “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida”. (João 14:6)

O Senhor perguntou ao irmão de Jarede, “Crês nas palavras que eu direi?“

E o irmão de Jarede respondeu, “Sim, Senhor, eu sei que falas a verdade, porque és um Deus de verdade e não podes mentir.” (Eter 3:11-12)

E aqui temos as palavras do próprio Salvador, “Eu sou o Espírito da verdade” (D&C 93:26). “Porém digo-vos a verdade” (João 16:7).

Por outro lado, Satanás é descrito como “o pai de todas as mentiras”.

No livro de Moisés lemos: “E ele tornou-se Satanás, sim, o próprio diabo, o pai de todas as mentiras, para enganar e cegar os homens e levá-los cativos segundo a sua vontade, sim, todos os que não derem ouvidos à minha voz.” (Moisés 4:4)

Jesus disse: “O diabo… não permaneceu na verdade, porque não há verdade nele; quando fala mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira.” (João 8:44)

Há um conto chinês que gostaria de compartilhar:

Conta-se que por volta do ano 250 A.C, na China antiga, um príncipe da região norte do país estava às vésperas de ser coroado imperador, mas, de acordo com a lei, deveria se casar. Sabendo disso, ele resolveu fazer uma “disputa” entre as moças da corte ou quem quer que se achasse digna de sua proposta.

No dia seguinte, o príncipe anunciou que receberia, numa celebração especial, todas as pretendentes e lançaria um desafio. Uma velha senhora, serva do palácio há muitos anos, ouvindo os comentários sobre os preparativos, sentiu uma leve tristeza, pois sabia que sua jovem filha nutria um sentimento de profundo amor pelo príncipe.

Ao chegar em casa e relatar o fato à jovem, espantou-se ao saber que ela pretendia ir à celebração, e indagou incrédula:

Minha filha, o que você fará lá? Estarão presentes todas as mais belas e ricas moças da corte. Tire esta ideia insensata da cabeça; eu sei que você deve estar sofrendo, mas não torne o sofrimento uma loucura.

E a filha respondeu:

Não, querida mãe, não estou sofrendo e muito menos louca, eu sei que jamais poderei ser a escolhida, mas é minha oportunidade de ficar pelo menos alguns momentos perto do príncipe, isto já me torna feliz.

À noite, a jovem chegou ao palácio. Lá estavam, de fato, todas as mais belas moças, com as mais belas roupas, com as mais belas joias e com as mais determinadas intenções. Então, inicialmente, o príncipe anunciou o desafio:

Darei a cada uma de vocês, uma semente. Aquela que, dentro de seis meses, me trouxer a mais bela flor, será escolhida minha esposa e futura imperatriz da China.

A proposta do príncipe não fugiu às profundas tradições daquele povo, que valorizava muito a especialidade de “cultivar” algo, sejam costumes, amizades, relacionamentos, etc.

O tempo passou e a doce jovem, como não tinha muita habilidade nas artes da jardinagem, cuidava com muita paciência e ternura a sua semente, pois sabia que se a beleza da flor surgisse na mesma extensão de seu amor, ela não precisava se preocupar com o resultado.

Passaram-se três meses e nada surgiu. A jovem tudo tentara, usara de todos os métodos que conhecia, mas nada havia nascido. Dia após dia ela percebia cada vez mais longe o seu sonho, mas cada vez mais profundo o seu amor. Por fim, os seis meses haviam passado e nada havia brotado. Consciente do seu esforço e dedicação, a moça comunicou à mãe que, independentemente das circunstâncias, retornaria ao palácio, na data e hora combinadas, pois não pretendia nada além de mais alguns momentos na companhia do príncipe.

Na hora marcada estava lá, com seu vaso vazio, bem como todas as outras pretendentes, cada uma com uma flor mais bela do que a outra, das mais variadas formas e cores. Ela estava admirada, nunca havia presenciado tão bela cena.

Finalmente chega o momento esperado e o príncipe observa cada uma das pretendentes com muito cuidado e atenção. Após passar por todas, uma a uma, ele anuncia o resultado e indica a bela jovem como sua futura esposa. As pessoas presentes tiveram as mais inesperadas reações. Ninguém compreendeu porque ele havia escolhido justamente aquela que nada havia cultivado. Então, calmamente o príncipe esclareceu:

Esta foi a única que cultivou a flor que a tornou digna de se tornar uma imperatriz. A flor da honestidade, pois todas as sementes que entreguei eram estéreis.8

Caros irmãos, quando o mundo exigir de nós resultados em detrimento da honestidade, que sejamos incompetentes honestos.

O Presidente Joseph F. Smith aconselhou: “Que a vida de cada homem seja de tal forma que seu caráter passe pela inspeção mais rígida e que seja como um livro aberto, de maneira que não precise se acovardar nem tenha nada de que se envergonhar”9.

A falta de honestidade pode enganar muitas pessoas, e talvez até mesmo a nós em momentos de não lucidez espiritual quando perdemos a sensibilidade como os irmãos de Néfi10. Nós como Santos dos Últimos Dias temos que lembrar que o caminho é estreito e que utilizamos o nosso livre arbítrio ao nos comprometermos com o Senhor nas águas do batismo. Ao final do caminho haverá um portão, e quem estará lá não pode ser enganado, e Jacó, irmão de Néfi sabia muito bem sobre isto: “e o guardião da porta é o Santo de Israel; e ele ali não usa servo algum, e não há qualquer outra passagem a não ser pela porta; porque ele não pode ser enganado, pois Senhor Deus é o seu nome”.11

1 (Êxodo 23:2)

2 Honesty—a Moral Compass, James E. Faust, General Conference October 1996

3 http://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2012/05/24/juristas-aumentam-penas-para-violacao-de-direito-autoral-e-pirataria

4 Ensinamentos dos Presidentes da Igreja: Brigham Young, 1997, p. 293

5 Othello, act 3, scene 3, lines 157–61.

6 Faith Precedes the Miracle, pp. 234–235

7 Ver Hyrum M. Smith e Janne M. Sjodahl, Doctrine and Covenants Commentary, ed. rev. (1972), p. 167

8 Autor desconhecido

9 Gospel Doctrine, 5ª ed., 1939, p. 552

10 1 Nefi 17:45

11 2 Néfi 9:41

Siga-me!

Marcelo Bighetti

Marcelo Bighetti é Escritor de Ficção Científica e Fantasia. Possui vários contos publicados, sendo um deles best-seller na Amazon. Pesquisador e palestrante sobre o folclore brasileiro, divide seu tempo com suas criações como designer gráfico e a vida solitária de escritor. Estuda a possibilidade de cuidar de alguma planta, e parece que vai comprar um cacto. Adora ser pai dos seus cinco filhos, mesmo que um já tenha ido para outras esferas, e ama de paixão sua linda esposa.
Siga-me!