Dinossauros são incríveis! Quando eu era pequeno fiquei encantado com essas criaturas pré-históricas. De todos os tamanhos e formas, carnívoros e herbívoros, com chifres e garras: eles instigavam minha imaginação. Colecionei livros, revistas e bonecos. E não perdia um filme ou animação que os envolvia. Meu fascínio era tal que ficava desenhando dinossauros por horas e estudando suas características, tais como seus nomes em latim, os possíveis locais em que viveram, seus hábitos alimentares e suas estruturas magnificas.

Os dinossauros foram minha paixão por toda minha infância e ocuparam uma posição importante durante a minha adolescência: pois fizeram com que eu questionasse a Criação do Mundo, a história da queda de Adão e Eva e meu proposito na Terra. Até hoje, embora eu tenha escolhido um caminho profissional que é bem distante da paleontologia, os dinossauros são relevantes para mim.

A primeira coisa importante a se dizer a respeito dos dinossauros é que eles existiram mesmo! Eu já encontrei algumas pessoas que não acreditam em dinossauros. Elas acham que os milhares de fósseis encontrados pelo mundo são apenas resquícios de animais grandes que morreram no diluvio ou mesmo invenção da mente humana! Bem, se você pensa isso, está muito enganado. Dinossauros de fato viveram. O Elder James E. Talmage, que foi um renomado geólogo e membro do Quórum dos Doze Apóstolos, disse que os animais fossilizados – que incluem os dinossauros “viveram e morreram, de era em era, enquanto a Terra ainda não estava pronta para o homem ser colocado nela.” [1]

A segunda coisa importante a se dizer sobre os dinossauros é que eles NÃO vivem entre nós. Eles não convieram com os homens na mortalidade. Eles provavelmente não estavam no Jardim do Éden – e certamente não se afogaram no dilúvio, como alguns sustentam. Mesmo que ignorássemos os estudos geológicos saberíamos disso pelo próprio relato da Bíblia: Deus preservou, através da Arca de Noé, as espécies animais, inclusive os répteis [2]. Os dinossauros são répteis por excelência – e mesmo que os dinossauros grandões fossem ignorados pela graça divina, os pequenos deveriam ter adentrado na arca – o que, evidentemente, não aconteceu!

Durante minha adolescência investiguei a Teoria da Evolução de Charles Darwin e outras teorias que envolviam os dinossauros, seu desenvolvimento e repentina extinção, além das doutrinas do Evangelho Restaurado de Jesus Cristo. O Espírito Santo concedeu-me um vigoroso testemunho do Evangelho. Mas fiquei intrigado com as muitas opiniões de membros da Igreja e não membros que tentavam mesclar a Teoria da Evolução com o Evangelho ou refutar um ou outro.

Cheguei à conclusão de perguntar à Primeira Presidência da Igreja sobre o tema. Depois de algumas semanas recebi a resposta: uma carta do Elder F.Michael Watson, que na época era secretário da Primeira Presidência. Ele disse que os irmãos da Primeira Presidência haviam lido minha correspondência e solicitado que eu fosse respondido com amor. A tão aguardada resposta dizia simplesmente: “o Senhor não revelou a conexão dos dinossauros com o Plano de Salvação (…) Quanto à decisão se você deve ou não estudar paleontologia é algo que você irá decidir junto com o Senhor.” A carta também trazia algumas citações de Autoridades Gerais afirmando que Adão é o primeiro pai da raça humana e que Deus não nos deu detalhes de “como” criou a Terra.

Essa resposta curta, mas sincera, encheu-me de gratidão. Simplesmente sabemos muito pouco sobre os dinossauros e seu papel no Plano de Salvação. Isso não quer dizer que um dia não saberemos mais. Em Doutrina e Convênios lemos:
“Sim, em verdade vos digo: No dia em que o Senhor vier, ele revelará todas as coisas— Coisas passadas e coisas ocultas que nenhum homem conheceu, coisas da Terra pelas quais foi feita e seu propósito e seu fim— Coisas muito preciosas, coisas que estão no alto e coisas que estão em baixo, coisas que estão dentro da terra e sobre a terra e nos céus.” [3]

Quando li “coisas que estão dentro da Terra” foi como se lesse “fósseis”. Aprendi, portanto que o conhecimento pleno sobre o “papel dos dinossauros no Plano de Deus” seria revelado “no dia” em que o Senhor voltasse. Reconheci, de imediato que, por amor e justiça não sabemos todas as coisas. Se entendêssemos tudo o que nos cerca, ou se tivéssemos respostas com muita facilidade, isso seria, no mínimo, uma evidencia de um Criador finito e fraco. E mais: se Deus nos dissesse tudo o que quiséssemos na hora que exigíssemos: isso seria para nós maldição em vez de bênção [4], pois não podemos suportar todas as coisas agora [5].

Os fósseis (inclusive os fosseis de dinossauros) são uma prova que Deus vive, uma evidencia de uma sabedoria muito superior a nossa. Ele preparou todas as coisas nesta Terra, para que viéssemos, fôssemos provados e voltássemos à presença Dele (1 Néfi 10:18). Interessante que uma das teorias mais aceitas envolvendo os fósseis sugere que os restos de plantas e animais (como os dinossauros), sob certas condições peculiares e especificas (praticamente milagrosas), formam rochas sedimentares, que acabam por virar petróleo. Se for assim, o Senhor, sabendo que usaríamos tanto essa substância permitiu que os fósseis permanecessem embaixo da Terra para, no certo tempo, desfrutarmos do petróleo – tão essencial em nossos dias. Mas isso é apenas uma ideia. Certamente não podemos considerar tudo agora.

O que podemos considerar é que os dinossauros foram extintos. E o fato de terem sido removidos abruptamente do planeta (talvez por um enorme meteoro) não esta em desacordo com o Evangelho, pois Deus extingue os animais para cumprir seus propósitos [6]. Todavia, o mesmo Evangelho também nos ensina que aquilo que morre – ressuscita. Assim, aprendemos que até mesmo os dinossauros ressuscitarão: pois o sacrifício Expiatório de Cristo (que inclui a vitória sobre a morte) foi para toda Criação [7].

Para concluir, só quero dizer que podemos nos divertir com filmes e desenhos sobre esses animais incríveis – e até especular como viveram e morreram. Só não podemos permitir as teorias dos homens (que estão sempre mudando) e nossa imaginação destruam nossa fé [8].

Aprenderemos mais sobre os dinossauros, por estudo ou por revelação, no devido tempo do Senhor. Enquanto isso podemos nos regozijar com a sabedoria de Deus e esforçarmo-nos por viver nossa religião – pois assim, receberemos “revelação sobre revelação, conhecimento sobre conhecimento, para que [possamos conhecer] os mistérios [de Deus]” [9]
__________________

NOTAS
[1] Tradução livre de “Questions and Answers,” Tambuli, Apr 1988, 29–32. Fonte: https://www.lds.org/liahona/1988/04/questions-and-answers?lang=eng

[2] Gênesis 7:8-9

[3] D&C 101:32-34

[4] Um conhecimento superior ao que somos capazes acaba sendo prejudicial: Jacó 4:14

[5] D&C 50:40, 78:18

[6] Isaías 50:2, D&C 133:68

[7] D&C 76:43

[8] II Timotéo 2:23, Tito 3:9

[9] D&C 42:61

Siga-me!

Lucas Guerreiro

Lucas Guerreiro serve atualmente como Secretário do Comitê de Jovens Adultos do Brasil. Serviu na Missão Brasil Curitiba (2006-2008).Seus interesses enfocam filosofia, teologia, psicologia, artes plásticas, fotografia e cinema. Ele é escritor, palestrante, analista e consultor de redes sociais. É membro da Comissão de Direito e Liberdade Religiosa da OAB/SP.Estudou Direito na Universidade São Judas Tadeu e atualmente cursa Tecnologia em Jogos Digitais na Universidade Metodista.
Siga-me!

Últimos posts por Lucas Guerreiro (exibir todos)