Por “Book of Mormon Central” · January 12, 2017, traduzido por José Eduardo Marcondes

“Esse é o homem que recebe a salvação, por meio da expiação que foi preparada desde a fundação do mundo para toda a humanidade que existiu” Mosias 4:7

O que se sabe

Em 1º de Março de 1842, O jornal da Igreja “Times and Seasons” publicou uma carta que Joseph Smith tinha escrito para um repórter de jornal de Chicago chamado John Wentworth. Nesta carta, Joseph escreveu uma lista de declarações sobre a doutrina Mórmon que depois se tornaria o Regras da Fé.

A terceira declaração nesta lista diz: “Cremos que, por meio da Expiação de Cristo, toda a humanidade pode ser salva, pela obediência às leis e ordenanças do Evangelho.” (Regras de Fé 1:3). À primeira vista, esta declaração, assim como muitas outras declarações que Joseph fez sobre Cristo, parece muito com básicos resumos de doutrina colhidas da Bíblia. Entretanto, recentes entendimentos Mórmons sobre Jesus Cristo e a Expiação parecem refletir na verdade ao Livro de Mórmon mais fielmente.

O Rei Benjamin, por exemplo, declarou que uma pessoa que guarda os mandamentos poderia receber “a salvação, por meio da expiação que foi preparada desde a fundação do mundo para toda a humanidade” (Mosias 4:6-7). Esta declaração é muito similar à terceira Regra de Fé: que por meio da Expiação, a salvação pode ocorrer para toda a humanidade, se for obediente.

Além disso, o uso que Joseph faz da palavra “expiação” sugere um conhecimento do Livro de Mórmon. A palavra só aparece uma vez em todo o Novo Testamento (reconciliação, na versão em português) (Romanos 5:11), já no Livro de Mórmon ela aparece mais do que vinte e cinco vezes. Desse modo parece provável que o Livro de Mórmon ajudou a moldar o vocabulário teológico e a compreensão de Joseph Smith.

O Livro de Mórmon também pode ter dado forma ao que ele escolheu enfatizar. Sua ênfase em obediência, por exemplo, pode ser um indício. No Livro de Mórmon, os apóstatas Nefitas expressaram a crença de que “toda a humanidade seria salva” incondicionalmente (Alma 1:4; 21:6). De fato, Alma 1:4 é a única vez em que a frase “toda a humanidade seria salva” aparece nas escrituras além desta Regra de Fé. Assim, é possível que Joseph Smith tivesse essa declaração em mente quando ele escreveu que “toda a humanidade pode ser salva” apenas “pela obediência às leis e ordenanças do Evangelho” (Regras de Fé 1:3). É quase como se Joseph estivesse se lembrando e respondendo às ideias de Neor quando escreveu esta Regra de Fé.

Muitas das revelações registradas em Doutrina e Convênios também parecem aceitar a ideia de que Joseph e seus ouvintes conheciam o Livro de Mórmon bem o suficiente para focar em referências a ele. Pouco depois que o Livro de Mórmon foi publicado, Martin Harris recebeu uma revelação através de Joseph Smith. Nesta revelação, o Senhor disse que Seu “Sofrimento (…)fez com que eu, Deus, o mais grandioso de todos, tremesse de dor e sangrasse por todos os poros; e sofresse, tanto no corpo como no espírito” (Doutrina e Convênios19:18, ênfase adicionada).

Isso parece presumir que Joseph Smith e Martin se lembrariam de Mosias 3:7: “E eis que sofrerá tentações e dores corporais, fome, sede e cansaço maiores do que o homem pode suportar sem morrer; eis que sairá sangue de cada um de seus poros, tão grande será a sua angústia”.

Estes são apenas alguns simples exemplos. O Livro de Mórmon parece ter fortemente moldado e influenciado os primeiros ensinamentos Mórmons sobre Cristo e a Expiação. Como argumentou o instrutor do LDS Institute Gerald E. Smith, “O Livro de Mórmon moldou a Cristologia Mórmon por meio de histórias e narrativas de profetas e pessoas que acreditavam à medida em que elas tinham experiências com Cristo em visões e revelações, interagiam com Ele pessoalmente durante sua visita de pós-ressurreição ao Novo Mundo, e registravam suas observações nos registros das escrituras”.

O Porquê

Que as ideias de Joseph Smith e palavras dele sobre Cristo e a Expiação foram provavelmente moldadas, em um grau significativo, pelo Livro de Mórmon é extraordinário considerando-se que Joseph pessoalmente se comunicou com o Salvador em múltiplas ocasiões. Mesmo com todas as suas visões, ele parece ter se inspirado no Livro de Mórmon para ter conhecimento sobre Cristo, e Cristo parece ter feito alusões ao Livro de Mórmon quando revelou-se Ele mesmo a Joseph.

Sabendo que mesmo os pontos de vista de Joseph Smith sobre Cristo foram moldados pelo Livro de Mórmon, os leitores modernos podem, ainda mais, se voltar ao Livro da mesma forma, permitindo que sua compreensão sobre Cristo seja informada e enriquecida pelo Livro de Mórmon também. Na noite de 21 de setembro de 1823, o anjo Morôni disse a Joseph que o livro que ele iria produzir iria conter “a plenitude do Evangelho eterno”. Nunca se esquecendo disso, Joseph sabia que até o dia em que ele morresse aquelas importantes verdades sobre Cristo deveriam ser colhidas das páginas do Livro de Mórmon.

Os leitores modernos podem, da mesma forma, continuar, ao longo de suas vidas, a colher importantes ideias sobre a missão eterna, o evangelho e a expiação de Cristo ao repetidamente contemplar as palavras deste testamento de Jesus Cristo.

Leitores que permitirem que o Livro de Mórmon ajude a moldar a sua percepção da Expiação vão se encontrar bem fundamentados em suas eternas verdades. Como Boyd K. Packer declarou, “[A Expiação de Jesus Cristo] é a própria raiz da doutrina Cristã. Podemos saber muito do evangelho, de suas ramificações, mas se tudo o que conhecermos forem os ramos e esses ramos não estiverem ligados à raiz, se tiverem sido cortados, separados, dessa verdade, neles não haverá vida, nem substância, nem redenção”

O Livro de Mórmon pode ajudar os leitores a se conectarem com as raízes do evangelho e compreenderem a Expiação em toda a sua profundidade e beleza, assim como Joseph Smith fez.

Siga-me!

Eduardo Marcondes

É jornalista há 20 anos, com ênfase na atuação em Rádio e Televisão. Foi repórter, editor e apresentador, com passagens por praticamente todas as emissoras com sede na capital paulista, entre elas o Grupo Bandeirantes e o SBT. Atualmente faz trabalhos de textos em parceria com alguns empresários e escreve regularmente na internet há pouco mais de ano.
Siga-me!