Quando eu tinha 20 anos, poucas semanas antes de eu conhecer o rapaz que viria a ser meu marido e companheiro eterno, tive uma conversa muito interessante com um amigo.

Não me lembro do motivo que nos levou a tal ponto da conversa, mas me lembro nitidamente de quando ele perguntou:

Mas e se o seu marido não for perfeito? O que você fará? ”

Aquela possibilidade simplesmente não existia em minha jovem e ingênua mente!

Ele vai ser perfeito! ” Respondi totalmente confiante.

Mas e se ele não for???” Meu amigo replicou.

Ele vai ser.”

E assim ficamos nesse impasse por vários minutos. Ele não conseguiu me convencer a cogitar tal possibilidade. Talvez ele esperasse que eu respondesse que me separaria, não sei. Sinceramente, hoje vejo que talvez ele estivesse apenas tentando me ajudar a me preparar para a vida real.

De certa forma, porém, minha decisão absoluta em relação a isso pode ter sido sim uma coisa positiva. Pois embora eu tenha vindo a descobrir mais tarde que meu marido não era, de fato, perfeito; esse sentimento de que não existia outra possibilidade senão o sucesso de meu casamento foi e continua sendo, uma arma poderosa contra o poder do inimigo de toda felicidade.

Meu marido e eu namoramos poucos meses antes de nos casarmos, mas tive certeza de que ele era a pessoa certa para mim dentro do templo. Eu estava participando de uma seção no batistério e ele estava servindo em outras partes, pois já tinha sua investidura. Eu já havia aceitado seu convite de casamento, mas estava buscando uma confirmação celestial para tal decisão vital.

A certa altura, ele passou em frente ao batistério e parou para me observar. Eu estava orando a respeito do assunto e, de repente, senti vontade de olhar para trás, então o vi parado lá fora, sorrindo para mim. Foi nesse momento que senti no coração a aprovação divina que esperava. Eu sabia que o Pai Celestial estava me incentivando a seguir em frente.

Às vezes, acho que o tempo do namoro e os primeiros meses do casamento se parecem muito com o Jardim do Éden, porque tudo é tão perfeito! Mas ao longo dos anos, quando somos obrigados a trabalhar e viver no mundo solitário e triste, as coisas se mostram mais complicadas, duras e difíceis do que imaginávamos no princípio.

Por muitas vezes, nós tivemos problemas e desentendimentos, mesmo vivendo da maneira mais correta possível – servindo na Igreja, criando os filhos com amor e guardando todos os mandamentos. Nos primeiros anos de casamento, tive dificuldade para lidar com isso, porque eu realmente acreditava que ele jamais me magoaria.

Então, mais tarde, ao fortalecer nossas amizades com outros casais da Igreja de nossa faixa etária, descobrimos que tudo o que passáramos no relacionamento conjugal e que pensávamos ser uma grande falha, era na verdade, bem normal. Em outras palavras, descobrimos que os santos dos últimos dias também têm problemas no casamento!

Sei que isso pode parecer óbvio para muitas pessoas, mas para nós, naquela fase, não era. Nós aprendemos sobre o modelo ideal através do evangelho e como nenhum de nós dois cresceu em um lar SUD padrão, ambos acreditávamos que ao construir nossa família sob os alicerces do Senhor, jamais teríamos problemas no casamento. Por isso as primeiras experiências de desentendimento e atrito foram tão chocantes.

O casamento se mostrou ser para nós bem semelhante a uma montanha russa – algumas vezes emocionante e feliz, outras vezes assustador ou nauseante. Mas o Senhor me ensinou algo muito importante…

Certa noite, quando eu estava particularmente decepcionada com meu marido, orei reclamando e chorando. Minha oração foi algo como:

O Senhor me disse que ele era a pessoa certa para mim! Se lembra? O Senhor disse que eu devia me casar com ele e que daria tudo certo, se lembra?! Então porque agora ele ficou assim?!”

Não obtive uma resposta imediata, então enxuguei as lágrimas e fui dormir. Naquela noite tive um pesadelo extremamente angustiante, onde meu marido fazia coisas realmente horríveis e pecaminosas. Coisas que eu sei que ele jamais faria e que me fizeram acordar muito impressionada. Ele estava dormindo tranquilamente ao meu lado quando orei em pensamento ao Senhor novamente e perguntei porque tinha sonhado aquilo.

A resposta foi uma reprovação e uma lição. Ouvi claramente em minha mente que aquele pesadelo era só uma amostra para eu saber o que uma pessoa realmente ruim é capaz de fazer! Eu vinha tendo muitos pensamentos negativos a respeito dele e sendo excessivamente crítica. Então a voz do Senhor me respondeu dizendo:

Eu disse que ele era um bom homem, não um homem perfeito. ”


Diante de tantos divórcios acontecendo a nossa volta nos tempos atuais, percebo que eu não era a única a esperar uma perfeição descabida no cônjuge. Se nem mesmo o Senhor cobra-nos perfeição completa para sermos admitidos em Sua Casa Santa – o Templo, então porque insistimos em achar que temos o direito de exigir tanto das pessoas?

Quando os casais permanecem juntos mesmo tendo problemas, é um sinal de fé. Sim, fé de que o Senhor tem o poder de consertar as coisas, curar feridas, corrigir desvios, apagar culpas e mudar Seus filhos e filhas. Cada casamento é uma união sagrada, instituída e abençoada pelo próprio Deus. Não pode ser desfeita a não ser por motivos realmente graves e sérios.

Para ter uma ideia do que seria um motivo grave e sério o suficiente, imagine-se em uma entrevista pessoal com o Salvador explicando porque deseja se separar. Tenha em mente que Ele ama profundamente seu cônjuge antes de começar a listar seus defeitos e falhas. Ele o/a ama tanto, que deu Sua vida por ele/ela. O sacrifício expiatório de Cristo foi feito justamente para Ele poder completar o que nos falta!

Obviamente, existem circunstâncias excepcionais, quando a separação é necessária para própria segurança de um cônjuge ou crianças que sofrem maus tratos severos. Mas quando os problemas são apenas de incompatibilidade, certamente isso não é motivo suficiente. O fim do amor também não! Amar é uma decisão (do altar ao fim da vida) não é um sentimento que independe de nossa vontade. Ele brota com a admiração e atração, mas é nutrido pela fé e pelo compromisso, especialmente quando um convênio eterno foi feito no Templo.

Aqui na mortalidade, temos uma noção equivocada sobre o tempo. Podemos sentir que já demos tempo demais a uma pessoa, mas sob a perspectiva da eternidade, tudo que passamos aqui na Terra é apenas um breve momento. Somos impacientes demais e isso pode acabar estragando tudo.

Os casais que escolhem preservar o casamento vão se adaptando, melhorando e progredindo juntos ao longo do caminho. Nosso querido Presidente Monson gosta de recitar o poema abaixo:

Encontrei à noite um estranho

cuja lâmpada se apagara.

Parei e deixei que acendesse

sua lâmpada na minha.

Uma tempestade irrompeu mais tarde,

fazendo o mundo tremer.

E quando o vento cessou,

minha lâmpada estava apagada!

Mas o estranho voltou até onde eu estava,

com a sua lâmpada brilhando forte.

Ergueu sua preciosa chama

e acendeu a minha.

 

Não vejo uma parceria onde isso possa ser mais real do que no relacionamento conjugal! Sei que o poema menciona “um estranho”, mas quando estamos brigando não nos tornamos realmente estranhos um para o outro?

Um casamento forte raramente tem duas pessoas fortes ao mesmo tempo. Marido e esposa se revezam sendo fortes um para o outro nos momentos em que o outro está fraco. Pode ser que neste momento, seu cônjuge esteja com a mente confusa, com a fé vacilando ou qualquer outro problema. Mas se você o ajudar a reencontrar sua luz, poderá ter a doce surpresa de ser abençoado e recompensado por isso no futuro!

Em 3 Néfi 12: 23-24 o Salvador disse: “Portanto, se vieres a mim ou desejares vir a mim e te lembrares que teu irmão tem alguma coisa contra ti, vai a teu irmão e reconcilia-te com teu irmão; e depois vem a mim com firme propósito de coração e eu te receberei. ”


Todos que causam um divórcio sentem que tem razão. Mas o plano do Senhor é preservar as famílias! Ele espera que tenhamos paciência com nosso cônjuge e que não sejamos imediatistas. Ele espera que não exista espaço em nossa mente e coração para a possibilidade de desistência, como diz o lema da NASA: O fracasso não é uma opção.

Em 2Néfi 31: 18-20 encontra-se uma escritura que pode render uma analogia interessante em relação ao casamento. Nesta aplicação, comparamos o caminho estreito e apertado que conduz à vida eterna à vida de casados. Afinal, sabemos que vida eterna é o tipo de vida que Deus vive e que para alcançar o mais alto grau de glória, é preciso estar casado. (D&C 131:1-4)

A palavra de Cristo nos ajuda a exercer a humildade necessária para resolver os problemas e permanecer no caminho. Se o Senhor é poderoso para salvar nossa alma, porque não nosso casamento?

O perfeito esplendor de esperança também se encaixa perfeitamente nesta aplicação da escritura porque precisamos ter esperança de que nosso casamento dará certo afinal!

E o último aspecto que à primeira vista pode parecer não ter relação, mas tem tudo a ver com a história, é o banquete com as escrituras. Muitos líderes afirmam que os membros que estudam regularmente as escrituras nunca aparecem com problemas graves. A receita básica da Igreja para os casais e para as famílias continua a mesma, porém só funciona quando as coisas são feitas de coração quebrantado/ espírito contrito e com constância:

  • Noites Familiares significativas;
  • Orações pessoais, em casal e familiares;
  • Estudo das escrituras pessoais e familiar.

O esquema acima funciona como um acróstico que forma com cada letra inicial o nome – NOÉ. É um ótimo lembrete para nos ensinar sobre como salvar nossa família. Noé construiu uma arca para salvar sua família da destruição e morte físicas. Nós precisamos construir “uma arca” para proteger nossa família da destruição e morte espirituais.

3 Conselhos importantes para quem está cogitando o divórcio:

1 – Não tome essa decisão “de cabeça quente”, espere a poeira da raiva baixar e aja com calma para não se arrepender depois.

2 – Estude com atenção todos os materiais publicados e aprovados pela Igreja a respeito do assunto. Existem centenas de excelentes artigos nas revistas A Liahona, discursos de conferência geral, escrituras padrão e manuais à nossa disposição! O manual do Casamento Eterno, inclusive, pode ser milagroso.

3 – Lembre-se que o Senhor nunca dá uma ordem sem antes preparar um caminho pelo qual suas ordens possam ser cumpridas! (1 Néfi 3:7) Se Ele nos ordena a preservação do casamento (seja por Sua própria voz ou pela voz de Seus Servos – líderes do Sacerdócio) é porque podemos fazer isso.

Como pais e mães, precisamos considerar o impacto de cada decisão que tomamos sobre nossos filhos. As crianças têm o direito de serem criadas por pai e mãe que vivam juntos em paz! O mesmo direito se aplica aos filhos jovens e adultos. Muitos esperam que os filhos cresçam para se divorciar achando que já estão “livres” do fardo de sua criação. Mas isso é só mais uma mentira de Satanás. Um jovem ou adulto sente tanta dor e frustração quanto uma criança pela desintegração de sua família, senão mais.

Não temos o direito de partir esses corações que o Senhor nos concedeu apenas para buscar satisfação pessoal! O que você gostaria que seus netos soubessem sobre você? Qual será o impacto futuro das decisões que estão sendo tomadas agora? Sua conduta atual está forjando para sua posteridade um legado ou um trauma? O que precisa ser feito afim de recuperar a verdadeira felicidade em sua vida e relacionamento conjugal?

Casamentos são como elos que unem correntes e o divórcio é a praga corrosiva que os destrói. É claro que muitos são apenas vítimas desta praga. Mas muitos também são seus alimentadores. Como podemos saber se estamos alimentando a praga do divórcio enquanto ainda estamos casados?

Seguem abaixo algumas reflexões sobre atitudes comuns que precisam ser corrigidas enquanto ainda há tempo. São alertas para todos os casais que ainda estão casados. “Vigiai e orai sempre, pois Satanás deseja ter-vos… ” (3 Néfi 18:18) Que nenhum de nós se considere ileso e “durma no ponto” por acreditar que tudo vai bem em Sião… (2 Néfi 28: 21)

VOCÊ ESTÁ ALIMENTANDO A PRAGA DO DIVÓRCIO SE…

  • Não dá atenção aos interesses de seu cônjuge;
  • Não consegue se comunicar sem erguer a voz;
  • Não demonstra carinho e boa vontade;
  • Não estuda as escrituras (pessoal e familiar)
  • Não considera o bem-estar dele/dela tão importante quanto o seu.

VOCÊ TAMBÉM ESTÁ ALIMENTANDO A PRAGA DO DIVÓRCIO QUANDO…

  • Permite pequenos e aparentemente inofensivos flertes com o sexo oposto;
  • Faz uso de pornografia, mesmo em suas formas camufladas;
  • Se distancia física e/ou emocionalmente de seu cônjuge;
  • Prefere ter razão numa discussão do que paz no lar;
  • Trata mal seu cônjuge, com falta de respeito, gentileza ou consideração.

Hino – Não deixeis palavras duras, 138

Não deixeis palavras duras

Vossos lábios pronunciar,

Porque Deus, lá nas alturas,

Pode por certo as escutar!

O amor é sempre puro,

A amizade é sempre um bem,

Mas lembrai que um gesto duro

Pode matar o amor também.

Frases ásperas ou frias,

Gestos cheios de rancor.

Matam nossas alegrias,

Nossa amizade e amor.

Ao vosso irmão amai”

Ordena o Salvador,

Crianças escutai ao bom Senhor!

Ao vosso irmão amai”

Ordena o Salvador,

Crianças ao Senhor ouvi

Embora não seja certo querer se separar devido às imperfeições do cônjuge, também não é certo resistir aos sussurros do Espírito que nos levam, aos poucos, à perfeição! Muitas pessoas se recusam a melhorar e continuar progredindo sem notar que a estagnação (quer seja física, espiritual, emocional ou material) anda de mãos dadas com o fracasso. Todos precisamos permitir e buscar a lapidação do Senhor para deixarmos de ser pedras brutas.

Mosias 3:19 “Porque o homem natural é inimigo de Deus e tem-no sido desde a queda de Adão e sê-lo-á para sempre; a não ser que ceda ao influxo do Santo Espírito e despoje-se do homem natural….”

2 Néfi 26:11 “Porque o Espírito do Senhor não tentará influenciar para sempre o homem. E quando o Espírito cessa de tentar influenciar o homem, advém rápida destruição; e isto me aflige a alma.”

Por isso, desperte e cuide bem de seu relacionamento, não dê chances ou brechas ao opositor e viva seu “felizes para sempre” em paz!

Siga-me!

Suzana Argachof Ribeiro

Formada em Letras, casada, mãe de 3 meninas em tempo integral e escritora nas horas vagas. Fã de carteirinha da Sociedade de Socorro! Autora dos livros: O Elo Forte - uma história contada por quatro gerações, Um Sonho Distante - o que existe além da memória e A Guerra Invisível - o que se ganha quando se perde. Blog pessoal: http://escritorasuzanaribeiro.blogspot.com.br/
Siga-me!

Últimos posts por Suzana Argachof Ribeiro (exibir todos)