O Nervinho

Numa época em que a Igreja costumava alugar casas para iniciar seus “ramos”, meu pai foi chamado para ser o presidente de um ramo no interior de São Paulo. A casa era grande, tinha cômodos amplos que acomodavam de maneira adequada toda a congregação. Para uma criança de sete anos, não importava tanto o tamanho da casa, mas o grande quintal que ela tinha. Era lá que, depois da sacramental, brincava com meus irmãos, enquanto meu pai ficava em reuniões e entrevistas. Corríamos pelo quintal cheio de pedregulhos e gastávamos toda a energia contida durante a manhã de domingo....

Read More