Quando escrevi esse artigo, no mês de maio deste ano, eu não esperava a torrente de manifestações – concordando ou discordando do assunto, e também de amigos sugerindo coisas importantes a serem acrescentadas ao texto.

Aí vai, então, o texto revisado e com acréscimos!


“Só peru morre na véspera”.

Muita gente já ouviu essa frase, mas até que ponto ela é verdadeira?

Aqui neste  despretensioso artigo, pretendo mostrar, à luz das Escrituras antigas e modernas, que na maior parte das vezes, ou em muitas das vezes, ninguém consegue morrer antes da hora.

E se alguém cometer suicídio? Não morreria antes  da hora?

 Antes de abordar a questão do suicídio, vamos analisar as mortes por doença, acidentes fatais, crimes ou quaisquer outros tipos de morte que não sejam auto-infligidas.

Ao examinarmos a Bíblia, percebemos claramente, no Novo Testamento, que Jesus Cristo só foi morto quando deixou que isso acontecesse. Muitas foram as vezes que os fariseus ou outras pessoas que se sentiam ameaçadas pelos ensinamentos do

Mestre tentaram matá-Lo. Vemos, porém, que em todas as tentativas para matar Jesus, com exceção da cruz, todas as tentativas foram em vão, e Ele milagrosamente escapou.

Só para citar uma dessas tentativas frustradas de matar Jesus, lemos que, quando Jesus se apresentou como Filho literal de Deus,

“Todos os que estavam na sinagoga ficaram furiosos quando ouviram isso. Levantaram-se, expulsaram-no da cidade e o levaram até ao topo da colina sobre a qual fora construída a cidade, a fim de atirá-lo precipício abaixo.

Mas Jesus passou por entre eles e retirou-se.” (Lucas 4:29-30)

O próprio Jesus declarou:

“Por isto o Pai me ama, porque dou a minha vida para tornar a tomá-la.Ninguém ma tira de mim, mas eu de mim mesmo a dou; tenho poder para a dar, e poder para tornar a tomá-la. Este mandamento recebi de meu Pai.”(João 10:18)

Não restam dúvidas, pelo menos aos que crêem na Bíblia, de que Jesus só morreu quando assim o permitiu, para que se consumasse a Expiação da humanidade.

Mas e quanto as pessoas comuns? Jesus era um caso especial, pois Ele é o Filho Unigênito de Deus.

E as pessoas comuns, podem morrer antes da hora? Novamente, vamos nos voltar para a Bíblia, onde o próprio Salvador ensina:

“Dirigindo-se aos seus discípulos, Jesus acrescentou: “Portanto eu lhes digo:

não se preocupem com suas próprias vidas, quanto ao que comer; nem com seus próprios corpos, quanto ao que vestir. 

“A vida é mais importante do que a comida, e o corpo, mais do que as roupas.

Observem os corvos: não semeiam nem colhem, não têm armazéns nem celeiros; contudo, Deus os alimenta. E vocês têm muito mais valor do que as ves!”.(Lucas 12:22-23).

“Não se vendem dois pardais por uma moedinha? Contudo, nenhum deles cai no chão sem o consentimento do Pai de vocês.  (Mateus 10:29)

Nas Escrituras modernas foi dito ao Profeta Joseph Smith:

“ Portanto persevera em teu caminho e o sacerdócio permanecerá contigo; pois os limites deles (os perseguidores) estão determinados e não podem ultrapassá-los. Teus dias são conhecidos e teus anos não serão diminuídos; portanto não temas o que o homem possa fazer, pois Deus estará contigo para todo o sempre. (Doutrina & Convênios 122:9)

Os profetas de Deus não são pessoas comuns, mas são seres mortais como qualquer um de nós. Provavelmente o que o Senhor disse para Joseph Smith, também é válido para todos os verdadeiros discípulos de Jesus Cristo – antigos e modernos.

Então chegamos a algumas conclusões: Jesus, os profetas e os verdadeiros discípulos não precisam ter medo da morte, porque ela só virá quando Deus permitir.

Portanto a morte, embora possa ser uma grande provação para os parentes e amigos que ficam, na verdade é uma bênção para os fiéis, pois “Preciosa é à vista do Senhor a morte dos seus santos”, conforme nos conforta o Salmo 116,  versículo 15.

Chegamos agora, então, ao restante da humanidade: podem os pecadores, os que abusam da sorte, os suicidas  e os descrentes morrerem  antes da hora? Nem todos os que não acreditam em Deus são pessoas pecadoras: existem muitas pessoas boas,  honestas, sinceras, caridosas, e que amam o próximo como a si mesmas – embora façam isso não por temor a Deus, e nem freqüentam regularmente nenhuma Igreja, mas porque acham que isso é o correto.

Podemos acreditar que todos os que Deus considerar “justos” (independente de religião- ou da ausência dela) não morrerá a menos que Ele assim o permita.

Os suicidas são um caso à parte, e neste caso, cada caso é um caso, e somente Deus poderá fazer um julgamento justo, pois um suicida normalmente não está em seu juízo perfeito na hora que atenta contra a própria vida.

Outra coisa: Todos nós conhecemos alguém que já tenha tentado suicídio sem sucesso… Parece que mesmo os que tentam se matar, só morrem se Deus assim o permitir!

Mas é provável, sim, que existam aqueles que podem morrer na véspera: os que consciente e deliberadamente vivem de forma contrária às leis de Deus, e que colocam em risco não só as suas vidas, mas também a vida de outras pessoas inocentes. Estas pessoas provavelmente podem morrer antes do tempo, porque se rebelam conscientemente contra as Leis Eternas do Universo, que valem tanto para crentes em Deus, como para descrentes!

Pode-se, então, morrer na véspera – ou antes do tempo?  Na maioria dos casos, parece que não.  As Escrituras são enfáticas em afirmar que os “justos não devem temer nem mesmo a morte”, porque Deus os protegerá e milagres acontecem todos os dias para demonstrar isso…

Claro que têm muitos casos que não compreendemos ainda, porque os caminhos de Deus muitas vezes são incompreensíveis para a maioria dos mortais, mas nós não precisamos nos  preocupar muito e nem temer  a morte- desde que estejamos nos esforçando para fazer as coisas certas, e sendo justos perante Deus.

Meus colegas de missão RJ comentaram a respeito desse assunto:

Humberto Kawai (texto usado com permissão):

Não tenho como refutar seus argumentos, Polito.

Apenas queria manifestar minha preocupação em relação às conclusões mencionadas, porque tudo que sugere predestinação tem a tendência de enfraquecer nosso fervor e pode resultar em uma atitude negligente e imprudente em relação à vida.

Se eu tivesse certeza de que cada pessoa tem a hora da morte já predestinada, por que eu colocaria seu nome no templo quando você estivesse doente, por que jejuaria e oraria para que a vida dela fosse preservada, por que oraria com fervor para que meus filhos fossem protegidos?

Se for impossível que alguém morra antes da hora, por que vou tomar cuidado para pegar a mão de meus filhinhos ao atravessar a rua, já que é impossível que um carro os atropele fora da hora marcada para que venham a falecer?

Eu tinha um colega na medicina que era de uma denominação evangélica que acreditava piamente na predestinação. Ele nunca se apressava quando havia um chamado de urgência nos plantões. Dizia que indo com calma até o local do chamado, geralmente a urgência se resolvia por si mesma (o que em muitos casos significava que o paciente já tinha morrido quando ele chegava lá).

Eu detestaria ser atendido por um médico que acreditasse que a hora da morte já está predestinada, porque ele não teria tanto empenho em descobrir uma cura, ou acharia que mesmo havendo um erro médico, isso já estaria agendado no plano, e a morte do paciente não seria culpa dele, já que cada um tem sua hora mesmo.

Eu já li o testemunho de uma irmã que estava realmente prestes a morrer, e ela contou que fez um convênio com o Senhor naquele momento, pedindo que sua vida fosse preservada até que os filhos se casassem no templo. Milagrosamente, ela se recuperou, e só veio a falecer alguns meses depois que o último de seus filhos se casou no templo.

Já ouvi falar de casos também de pessoas que tiveram uma experiência pós-morte, na qual lhes foi perguntado se desejariam prosseguir para o outro lado do véu ou retornar à mortalidade.

A meu ver, creio que, como em todas as coisas, cada caso é um caso.

Quando lemos nas escrituras que não precisamos temer a morte, não creio que seja porque não iremos morrer antes da hora, mas que mesmo que isso aconteça tudo ficará bem no final, porque o Senhor tem um plano para cada pessoa.

Por minha parte, vou continuar orando todos os dias para que meus filhos sejam preservados e protegidos, para que sejam guiados e orientados, para que não venham a sofrer um acidente ou cruzar o caminho de um malfeitor e vir a falecer antes da hora.

Maria Josefa Martins Suriano (usado com permissão)

Esclareço que ñ estou de acordo com a teoria da predestinação, acredito que todos temos um propósito nessa vida e chegará um dia que vamos morrer… Acho que o cumprimento ou não desses propósitos na sua hora justa vai depender de nossa maneira de viver, algumas pessoas adiantam sua morte devido às suas más decisões ou condutas inapropriadas que os levam  à deteriorar o físico. Se uma pessoa vive sadiamente e procura não viver de maneira arriscada, ela vai ter mais tempo que uma outra que vive a vida não se importando com o seu bem estar físico e tem uma vida cheia de aventuras e riscos…

Ana Maria Andreolli

Vale refletir sobre o poder do livre árbitro… decisões erradas levam a caminhos com resultados desconhecidos. …. acredito que para tudo tem o tempo certo mas muitas de nossas escolhas adiantam ou atrasam certos acontecimentos. ..

Observação Final: Também não acredito em predestinação.

Aí está, portanto, o artigo revisado para apreciação de todos os leitores, e só ressalvo que isso é apenas um estudo e minha opinião, não é doutrina da Igreja!Mas que é um assunto que interessa todo mundo, isso é! Ou não?

(Não é uma declaração oficial d’A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias)

Siga-me!

Luiz Polito

Luiz Polito serviu na Missão Brasil Rio de Janeiro (1978/80). É músico e microempresário. Proprietário de um Sebo Virtual, chamado Higino Cultural. E atualmente serve como Consultor de História da Família na Ala Bauru - Estaca Bauru.
Siga-me!