(foto: Da esquerda para direita: Elder Reinhold Stöof e sua esposa Ella Stöof e os Elderes Melvin,Rey L. Pratt e J. Vermon Sharp. Buenos Aires-1926)

O presidente Reinhold Stöof chegou à Argentina no mês de junho de 1926, acompanhado de sua esposa e mais dois elderes, mesmo assim os elderes Ballard e Pratt permaneceram na Argentina por mais alguns dias. Com a chegada dos novos missionários trouxe um alento para o difícil trabalho que havia já se estabelecido, fortalecer o animo dos novos membros da Igreja. Os elderes Pratt e Sharp como falavam Espanhol, eles conduziram muitas reuniões, com o presidente Stöof falava fluentemente o Alemão, ele fez grande trabalho entre os imigrantes alemães[1].

Elder Ballard no dia 4 de julho de 1926, fez uma profecia com respeito ao crescimento do evangelho na America do Sul: “A obra do Senhor por algum tempo crescerá vagarosamente aqui, como um carvalho que vagarosamente cresce de uma bolota. Não brotará num só dia como o girassol, que rapidamente e então morre, porém milhares filiar-se-ão à Igreja aqui. A obra dividir-se-à em mais de uma missão é será uma das mais fortes da Igreja. O trabalho aqui jamais será menor do que agora. Dia virá quando aos lamanitas desta terra será dada uma oportunidade. A missão Sul- Americana será uma potência na Igreja”. [2].

No dia 23 de julho de 1926, os elderes Ballard e Pratt retornam para seus lares no Estado Unido.

Nos primeiros oitos meses de trabalho de proselitismo os elderes Ballard e Pratt só trabalharam mais entre com as pessoas que falavam espanholas, porém o seu primeiro foi uma senhora de origem alemã e depois que uma senhora argentina, foi batizada pelo Elder Melvin J. Ballard.  Após a chegada do presidente Stöof muitos alemães se batizaram na Igreja, durante os anos seguintes deu se mais ênfase a pregação do evangelho entres os imigrantes alemães.  Pode se ver na tabela de estatísticas que o Elder John D. Peterson fez dos registros da missão America do Sul entre os anos de 1925 até 1930, que indica a nacionalidade dos primeiros membros da Igreja na missão, assim mostrando a hegemonia entre os alemães no trabalho de proselitismo[3].

Batismos por Nacionalidade – Missão Sul Americana: 1925 – 1930

Ano Números          de Batismos Alemães Italianos Espanhóis Portugueses Irlandeses
1925 6 6
1926 5 4 1
1927 12 12
1928 17 6 2 6 2 1
1929 20 8 2 10
1930 36 30 3 3
Total 96 50 11 32 2 1

Os dez anos de trabalho de proselitismo na Argentina foi centralizado na cidade de Bueno Aires, na qual os elderes fizeram muitos contatos com grupos de etnias diferentes. O Elder Peterson descreveu as diversidades dos povos que compunham o cenário da cidade naquela época: A cidade é formada em quase sua totalidade de pessoas que vivem em grupos etnias. Eles são imigrantes da Itália, Espanha, Alemanha e muitos de outras nações europeias, que é muito difícil identificar em natural da Argentina. A língua espanhola não é falada em sua maioria nas grandes metrópoles, ainda que muitos espanhóis falem muito bem o castelhano [4].

Em novembro de 1930 os missionários começam o trabalho na segunda cidade na Argentina, sendo a segunda maior cidade população daquele País, a cidade de Rosário de Santa Fé, o trabalho se desenvolve.   O ramo de Rosário é fechado no outono de 1933, na opinião do Elder Peterson isto ocorreu por falta de interesse por parte das pessoas, mas segundo um relatório de um missionário que descreve o grande campo a ser trabalhado, e também as dificuldades em ter poucos elderes. O Elder Peterson cita este relatório: Argentina tem uma população de 12 milhões de pessoas. Três milhões vivem em duas cidades principais: Buenos Aires e Rosário de Santa Fé. Desde que os primeiros elderes chegaram, a Igreja fez muitos amigos e conversos. Em sete anos do distrito de Argentina dedicou-se uma casa de reuniões e conta com 114 membros. A escola dominical foi organizada (…) porem, nós temos apenas assanhado a superfície. Há um território onde os pés dos elderes nunca pisaram. Somente duas cidades na Argentina ouviram o evangelho e há aproximadamente 400.000 habitantes por missionários nestas duas cidades. Mais Trabalhadores são necessários. Tendo a Igreja iniciada na Argentina, o evangelho se expandiu por toda a América do Sul da seguinte forma, em 1944 teve inicio á atividade no Uruguai, com missionários enviados a partir da Argentina, em 1948 no Paraguai, com missionários por parte do Uruguai, em 1959 no Peru, com missionários também enviados por parte do Uruguai. Em 1956 foram enviados os primeiros missionários por parte da Argentina ao Chile, onde estabeleceu a missão Chilena em 1961, Bolívia foi em 1964, em 1965 foi o Equador e no ano de 1966 foi na Colômbia, muitos dos missionários na America do Sul eram membros da Igreja locais que foram sendo fortalecidos e receberam educação nos seminários e programa instituídos pelo Sistema Educacional e preparados para servir uma missão [5].

Élder Stöof realizou uma missão de nove anos, ele permaneceu no seu chamado até o momento da divisão e criação da Missão Brasileira no ano de 1935, ele também foi responsável pelo estabelecimento da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias no Brasil, juntamente com os membros que vieram da Alemanha para este país, sendo que a família Lippelt já era conhecida do Élder Stöof na Alemanha.  O presidente Stöof chegou ao Sul do Brasil em dezembro de 1927, visitou as grandes cidades com São Paulo, Joinville e Porto Alegre, e por si mesmo o grande potencial para a implantação da Igreja no solo brasileiro, por intermédio dos imigrantes alemães destas localidades, possibilidades da pregação do evangelho. Ele viajou primeiramente para São Paulo, para obter informações sobre as maiores colônias alemãs. Em São Paulo, buscou contato com um antigo membro da Igreja, sido missionário na Alemanha, mas não encontrou. O presidente Stöof observou que em São Paulo, a população estava muito espalhada na área metropolitana, a semelhança de Buenos Aires. Desde que chegou, buscou através de investigação, as possibilidades para implantar da Igreja, ele viu que entre os imigrantes de língua alemão, a grande possibilidade deste trabalho. Stöof sentiu que o trabalho seria muito bem recebido, entre os colonos alemães. Decidiu então investigar o Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

O presidente Stöof tinha informações sobre a família Lippelt no Brasil e seu desejo era encontrar estes irmãos e amigos, mas agora como líder da igreja estava buscando alternativas de como poderia ajudar a família Lippelt no Brasil[6].  O presidente Stöof chega à Santa Catarina no dia 26 de julho de 1927, os elderes gastaram alguns dias investigando e descobriram dois lugares favoráveis para pregação ao publico. O presidente da missão também buscava informações sobre um lugarejo chamado de Princesa Isabel (Ipoméia), local onde estavam vivendo a família Lippelt. Um fato interessante que o Elder Peterson registrou o seguinte: O fato de que o Sul do Brasil vivia como uma ilha, afastada das influências da cultura brasileira.  Com o inicio do trabalho, logo viram os primeiros frutos. O Elder Stöof focou entusiasmado com a possibilidade da implantação com a possibilidade da implantação da Igreja em Joinville um locar propicio para implantação da missão  em território brasileiro,pois Joinville era uma comunidade puramente alemã naquela época. Pois havia ligação entre São Paulo- Rio Grande, através da estrada de ferro a EFSPRG, que tinha um ramal ligando o litoral de Santa Catarina [7].

Notas:

[1] Silva, Rubens Lima Da. Os Mórmons em Santa Catarina: Origens, conflitos e desenvolvimento. 2008.119 folhas. Trabalho do programa de pós-graduação em ciências da Religião. Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo,2008.pg;56.

[2] Liahona, janeiro de 1968, pag.29, São Paulo.

[3] Idem Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo,2008.pag.56.

[4] Silva, Rubens Lima Da. Os Mórmons em Santa Catarina: Origens, conflitos e desenvolvimento. 2008.119 folhas. Trabalho do programa de pós-graduação em ciências da Religião. Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo,2008.pg;57.

[5] Idem Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo,2008.pag.58.

[6] Blind, Henrique João. IPOMÉIA: Parte da historiada igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias no Brasil. 2012.114 folhas. 1ºedição, Êxito Editora Videira, SC..pg;31

[7] Idem Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo,2008.pag.61.

Siga-me!

Valeria da Silva

Valéria Corrêa da Silva possui Licenciatura Plena e é Bacharel em História na PUCRS.
Siga-me!