Nas palavras do Élder Carlos A.Godoy na Conferência Geral de outubro de 2014:

“Não estamos aqui nesta vida somente para desperdiçar nossos dias, envelhecer e morrer. O Senhor espera que cresçamos, que atinjamos nosso potencial.”

Ao ponderarmos sobre as oportunidades que temos, nós podemos dizer que as aproveitamos ao máximo?

Ao olharmos para o passado, nós respondemos com certeza que aproveitamos as oportunidades que nos foram dadas?

E quando fechamos nossos olhos e imaginamos nossa vida atual, nós podemos afirmar que estamos aproveitando com sabedoria nosso tempo atual?

Nosso futuro nada mais é que o resultado daquilo que estamos fazendo hoje. Cada um de nós escolheu o tipo de vida que está levando.

Até quando optamos por “deixar a vida nos levar”, estamos optando por alguma coisa, estamos optando por sermos levados pela correnteza, pelo vento que sopra sem direção! Estamos simplesmente optando por dizer: Ok, tudo o que acontecer está bom. É como no Livro de Mórmon: “comei, bebei e alegrai-vos, porque amanhã morreremos” [2]

O Presidente Monson dá-nos um alerta e uma chamada para AÇÃO:

“Cada um de vocês, solteiros ou casados, não importa a idade, tem a oportunidade de aprender e crescer. Expandir seu conhecimento, tanto intelectual como espiritual, até a completa estatura de seu potencial divino.” [3]

As nossas escolhas estão intimamente ligadas ao nosso progresso!

Ao pensar que estamos nesta Terra para cumprirmos um sábio propósito ou missão, nós sentimos que estamos cumprindo com ele? Estamos a cada dia dando um passo a mais?

Não há como alcançar resultados diferentes, fazendo exatamente as mesmas coisas. O futuro será composto das escolhas do presente.

Quando analisamos nossa vida, nossos sonhos e vontades, o futuro parece incerto, improvável e/ou impossível? Se sim, o que podemos fazer para que ele se torne real, possível e certo?

Abaixo listamos algumas perguntas para que possamos pensar na qualidade das escolhas que estamos fazendo:

1- De acordo com o futuro que quero ter, o que eu faço hoje para chegar lá?

2- Sinto que estou parado no tempo?

3- Compreendo que tenho um objetivo maior a ser atingido?

4- Sinto orgulho ou tristeza em relação às escolhas de alto impacto que fiz?

5- O que o Senhor espera de mim?

6-Que tipo de pessoa tenho me tornado?

Referências:

[1] O Senhor Tem um Plano para Nós, A Liahona, novembro de 2014.

[2] 2Néfi 28:7

[3] A Grande Força da Sociedade de Socorro”, A Liahona, janeiro de 1998.

Siga-me!

Inaê Leandro

Estudante de Administração, escritora e foi Jovem Senadora em terceiro lugar por Minas Gerais, no Prêmio Jovem Senador, do Senado Federal. Atua como voluntária no Instituto Oikon.
Siga-me!

Últimos posts por Inaê Leandro (exibir todos)