Traduzido de www.ldsdaily.com por Eduardo Marcondes

De acordo com o LDS.org, “Liberdade religiosa é mais do que apenas a liberdade de acreditar no que você quiser. Ela é também a liberdade de falar a respeito e agir em suas principais crenças sem a interferência de governos ou outros, exceto quando necessário para proteger a saúde e a segurança. Ela também permite às pessoas com crenças similares formarem organizações religiosas que governem seus próprios assuntos”.

Membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias acreditam na liberdade religiosa. A Regra de Fé nº 11 deixa claro que “Pretendemos o privilégio de adorar a Deus Todo-Poderoso de acordo com os ditames de nossa própria consciência; e concedemos a todos os homens o mesmo privilégio, deixando-os adorar como, onde, ou o que desejarem.”

Enquanto a liberdade religiosa pode evocar imagens de peregrinos de Mayflower ou pioneiros Mórmons, a verdade é que nós temos um grande exemplo muito antes disso. Jesus Cristo é de verdade nosso exemplo em todas as coisas. Ao longo de sua vida, Jesus Cristo exemplificou a tolerância e a bondade àqueles que acreditavam em coisas diferentes sem sacrificar a verdade que ele veio sofrer e testemunhar. Ele fez tudo o que pode para passar esta compreensão aos seus discípulos.

Aqui estão apenas alguns exemplos da maneira como Cristo demonstrava seu apoio ao princípio de liberdade religiosa, e como isso se aplica aos dias de hoje.

Jesus Cristo se Recusava a Blasfemar os que não Acreditavam

Enquanto Cristo e seus seguidores se preparavam para ir a Jerusalém, eles chegaram até uma vila de Samaritanos. Um mensageiro foi enviado para “preparar o caminho Dele”, mas foi rejeitado. Quando Tiago e João viram que a vila não aceitaria Cristo, eles perguntaram:

“Senhor, queres que digamos que desça fogo do céu e os consuma, como Elias também fez?”

Cristo repreendeu seus discípulos e disse a eles que ele, como Filho do Homem, “não veio para destruir a alma dos homens, mas para salvá-la.”

Em nossas vidas hoje, nós constantemente nos encontramos nervosos quando alguém que não acredita ou pensa como nós nos rejeita, ou pior ainda, nos persegue. Cristo nos ensina a evitar o espírito de contenção. Procure por uma atitude de benevolência e compreensão quando exercitar seu direito de praticar sua religião, ou quando outra pessoa exercitar o direito dela.

Jesus Cristo Veio Para Salvar, Não Para Julgar

Esta experiência com a vila dos Samaritanos não foi a única vez em que Cristo deixou claro que ele veio para salvar o mundo. Depois de sua entrada triunfal em Jerusalém, Jesus contemplou aqueles que não iriam aceitá-lo abertamente. O evangelho de João explica que muitos dos líderes-chefes de Jerusalém “acreditavam nele” mas não iriam confessar este fato, porque eles temiam que os Fariseus os colocassem nas sinagogas.

As escrituras dizem que Jesus chorou quando contemplou sua missão para essas pessoas:

“E se alguém ouvir as minhas palavras, e não crer, eu não o julgo; porque eu vim, não para julgar o mundo, mas para salvar o mundo.”

Como membros da Igreja, existem muitas coisas nas quais nós acreditamos. Existem não-membros em todo o mundo que acreditam de forma diferente de nós. Nós devemos considerar com o coração o desejo de Jesus Cristo de não julgar aqueles que “não acreditam”. Nós podemos suportar nossos testemunhos, manter nossos princípios, e proclamar o evangelho enquanto respeitamos e procuramos compreender os outros.

Jesus Cristo Ensina uma Mulher Samaritana

Nos tempos Bíblicos, existiram sentimentos muito antagônicos entre os Judeus e os Samaritanos. Os Judeus usavam “Samaritano” como um rótulo depreciativo para Cristo, perguntando a ele “Não dizemos nós bem que és samaritano, e que tens demônio?”. O sentimento na parábola do Bom Samaritano deve ter sido especialmente poderoso a esse respeito.

Em sua própria vida, Cristo demonstrou compaixão aos Samaritanos, um grupo que era não apenas diferente de seu próprio grupo, mas desprezado de muitas maneiras. Enquanto viajava por Samaria, Jesus conheceu “a mulher de Samaria” e pediu por um gole de água do poço. Ela fica surpresa com esse pedido, ele sendo um Judeu e ela uma Samaritana. Entretanto, ela dá a ele de beber.

Cristo usa essa oportunidade para ensinar a ela que nele existe “uma fonte de água que salte para a vida eterna.”

Por meio do diálogo, a mulher é conduzida a saber que Jesus é o Cristo. Nós somos de verdade um povo peculiar e nós conhecemos muitas religiões que podemos considerar peculiares a nós. Cristo nos ensina a espalhar sua mensagem, que é a de amor, a todos os homens, por meio de nossas palavras e ações.

Jesus Cristo Não Repreendia Alguém Expulsando Demônios

Um dia, os discípulos encontraram alguém expulsando demônios em nome de Cristo. Entretanto, essa pessoa não tinha se juntado aos seguidores de Cristo. Os discípulos disseram a Jesus que eles tinham dito a ele que parasse. Cristo disse a eles que não proibissem as pessoas de fazerem o bem em Seu nome.

“porque ninguém há que faça milagre em meu nome e possa logo falar mal de mim. Porque quem não é contra nós, é por nós.”

Muitas fés ao redor do mundo inspiraram os outros a fazerem o bem. Ao invés de brigar uns contra os outros, nós deveríamos nos reunir para servir nossas comunidades e nações. Ao construir os laços da amizade, nós podemos ajudar a realizar o trabalho de Deus.

Jesus Cristo Nos Encoraja Hoje a Apoiar a Liberdade Religiosa

Por meio de Profetas e Apóstolos vivos, nós fomos solicitados a apoiar a liberdade religiosa. A Igreja, em um esforço para ajudar os membros em todo o mundo a compreender essa responsabilidade, criou um extensivo guia de recursos com palestras, vídeos e mais. Eles estão encorajando a todos a tirar um minuto para examiná-los. Você pode acessá-los aqui.

Siga-me!

Eduardo Marcondes

É jornalista há 20 anos, com ênfase na atuação em Rádio e Televisão. Foi repórter, editor e apresentador, com passagens por praticamente todas as emissoras com sede na capital paulista, entre elas o Grupo Bandeirantes e o SBT. Atualmente faz trabalhos de textos em parceria com alguns empresários e escreve regularmente na internet há pouco mais de ano.
Siga-me!