Desde que meu filho era apenas um garotinho, ele sempre quis servir uma missão de tempo integral. Como mãe, eu sempre soube que esta seria a melhor escolha que ele faria em sua juventude. Agora, olhando para trás, sabemos que o Senhor guiou a todos nós na mesma direção. 

Um ano antes de sua partida, alguns desafios inesperados surgiram. Agora podemos ver que era o Senhor retirando tudo o que não prestava de nossas vidas, pois bênçãos incríveis começaram a surgir desde o dia em que ele entrou no CTM de Provo e se despediu de nós por dois longos anos. Embora aquele tenha sido um dos dias mais difíceis da minha vida, e concluir nossa ligação via Skype neste Natal tenha sido ainda mais difícil, é impossível não reconhecer o amor do Pai Celestial.

Trabalhamos incansavelmente durante todos esses anos para ajudá-lo a preparar-se para uma missão. Serei eternamente grata por ele ter feito as melhores escolhas, mas eu não estava realmente pronta para a experiência quando o dia de sua partida chegou. Sentimentos como a incapacidade de se comunicar com ele com freqüência, o lembrete constante de seu quarto vazio, e minha preocupação com sua saúde, segurança e outros, muitas vezes são esmagadores, e eu acredito que enviar um filho ou filha ao campo como um missionário de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias é realmente difícil para todas as mães – e pais também, é claro.

No entanto, ver um jovem deixar de lado as coisas do mundo e sacrificar seu tempo e sua vida ao Senhor, incluindo seus relacionamentos pessoais, interesses, vida acadêmica e profissional, é apenas o começo das bênçãos que tenho recebido ao longo destes meses que ele está no campo missionário. 

1. A nossa fé é mais forte do que nunca. Aprendemos definitivamente e somos testados a colocar nossa confiança no Senhor para o fato de que uma missão de tempo integral é Sua obra e quaisquer que sejam as regras da missão, situações de moradia e convívio de nosso missionário, possíveis perigos e dificuldades, sabemos, sem sombra de dúvida, que o chamado é inspirado e pessoal para que nossos filhos promovam a Sua obra usando todo o seu potencial, quesomente o Senhor conhece.

2. Nós aprendemos a ser mais gratos pelas doces bênçãos do dia a dia. Os avanços tecnológicos na comunicação por exemplo, como e-mails a cada semana, fotos esporádicas de nosso missionário do presidente da missão ou sua esposa e também de membros em sua área que nos encontram nas redes sociais, chamadas do Skype basicamente a cada seis meses, no Natal e Dia das Mães. Entre e-mails e cartas semanais, acabamos conhecendo melhor nossos filhos, e eles também descobrem os verdadeiros amigos entre os membros da própria família.

3. Nós aguardamos e aprendemos a amar as segundas-feiras! A cada e-mail escrevemos um capítulo do livro da vida de nosso filho. Aprendemos através de histórias inspiradoras, engraçadas, construtivas e pessoais sobre as maneiras que nosso missionário têm colocado em prática sua fé e confiança no Senhor, além de momentos mágicos das cartas de amor que recebemos onde ele reconhece a importância que temos em sua vida, e do amor genuíno que está desenvolvendo pelo Evangelho de Cristo. 

4. Nós experimentamos muitas emoções e momentos de gratidão. Mesmo quando vemos sua placa missionária na igreja ao lado do escritório do bispo. É reconfortante ver o rosto dele, juntamente aos amigos que também são missionários de nossa ala. 

5. Oramos por ele mesmo em nossas mais curtas orações ao longo do dia, e isso tem nos aproximado como casal e família. Somos eternamente gratos por saber que outros membros da família e amigos também estão orando sinceramente po sua proteção e bem-estar.

6. Aprendemos a admirar nosso filho e a amar os filhos de Deus ainda mais. Lemos suas histórias de como ele tem ajudado a reativar indivíduos e famílias, realizado batismos e conferido bênçãos do sacerdócio aos doentes e aflitos. Aprendemos a amar os muitos membros em sua área qu têm transformado suas vidas e são mais felizes porque nosso filho apresentou-lhes o Evangelho de Cristo. Somos eternamente gratos aos membros por todos os almoços, referências, ajuda de todo e qualquer tipo e pelo amor que oferecem ao nosso missionário.

7. Ganhamos uma nova perspectiva do poder do sacerdócio, quando ele nos conta de forma positiva e otimista – talvez para aliviar minhas preocupações – sobre as experiências negativas da missão, seja com um companheiro que não segue as regras, ou quando ele e seu companheiro foram perseguidos por bêbados e debochados por críticos, ao ter alguém que gritou e os xingou com palavras chulas, quando ficaram profundamente tristes ao lidar com pessoas desinteressadas em obedecer os mandamentos de Deus, ou até mesmo quando precisaram lidar com a apatia de muitos membros que acham que a obra missionária é apenas obrigação do missionário de tempo integral. Sabendo que ele literalmente chora por essas pessoas, tem calos nos joelhos porque ora incasavelmente por eles, e os ama profundamente apesar de suas ações, ensina-nos mais sobre humildade e submeter-se à vontade do Senhor que qualquer outra coisa.

8. Sentimos o véu bem fino recentemente. Sabemos que temos antepassados ​​além do véu que estão ajudando nosso filho e nossa família neste trabalho de amor. Sentimo-nos inspirados, reiniciamos nossa busca genealógica e conseguimos encontrar boa parte de um ramo da nossa família que havia sido muito difícil de alcançar através dos anos.

9. É confortante ver que ele sente alegria pura e contagiante em servir como missionário. Durante a nossa chamada via Skype para o Natal, eu perguntei se ele tinha desenvolvido um testemunho de que o Senhor o chamou para o lugar certo. Ele abriu um grande sorriso e disse entusiasmado: “Absolutamente!” Ele continuou: “Tem sido a melhor experiência de minha vida. Sou muito grato por Jesus Cristo e Sua expiação, as escrituras especialmente o Livro de Mórmon, os nossos profetas e líderes gerais, e eu já estou temendo o dia em que serei desobrigado.”

10. A maior bênção é ver as mudanças em meu filho. Ele está se tornando um homem admirável, melhorando em cuidar de si mesmo e ser independente financeira, física, psicologica e espiritualmente, fortalecendo seu relacionamento com o Senhor, descobrindo Seu poder e os milagres que somente a vivência do Evangelho e a companhia do Espírito podem realizar na vida dos filhos do Pai Celestial. Vendo-o tão otimista mesmo em frente aos desafios que têm e digno de compartilhar a alegria do Evangelho é um verdadeiro milagre em nossas vidas.

11. Compartilhamos experiências marcantes e aprendemos juntos. Como missão, meu filho tem a meta de ler o Livro de Mórmon novamente e terminá-lo até a Conferência Geral. Nós abraçamos o desafio e estamos fazendo o mesmo em nosso lar. Também vamos ao templo semanalmente e oramos uns pelos outros. É incrível reconhecer as bênçãos que temos nesse momento!

12. Maturidade e discipulado. Já sabíamos disso, mas mais do que qualquer outro aprendizado, estamos definitivamente colocando em prática os ensinamentos de que, se nos concentrarmos nas dificuldades da experiência, perderemos as bênçãos, e tudo depende da nossa atitude. É hora de testar a nossa fé, conhecimento e tudo de mais maravilhoso que sabemos sobre o Evangelho de Jesus Cristo. É hora de selar o nosso testemunho Dele e de Sua obra.

Sou extremamente grata pela honestidade que partilhamos, pela vontade de meu filho em servir ao Senhor, pela compaixão que temos em relação aos outros missionários e também seus pais e mães sob quaisquer circunstâncias, e especialmente pelo amor que o Pai Celestial tem por todos nós, mesmo por meu querido filho e todos os missionários maravilhosos e suas famílas que estão sacrificando tanto em suas vidas por este trabalho, permitindo-lhes que tenham essas experiências transformadoras em suas vidas.

A saudade chega a doer, mas sabemos que ele está no melhor lugar onde poderia estar neste momento. Sabemos também que o Senhor do Universo é um Pai perfeito, e tem sido seu pai por bem mais tempo do que nós somos, e confiamos Nele com todo o nosso amor e testemunho.

Como nosso Pai e Mãe Celestiais, o que mais desejamos é que nosso filho retorne com honra para o nosso convívio familiar e que possa crescer em graça e testemunho. Estamos felizes e oramos para que ele fortaleça seu relacionamento com nosso Irmão e Salvador Jesus Cristo, tornando inquebrantável nossos laços já selados pelo Poder de Deus e para o bem de sua futura família eterna.

Christina Ayres-Smith

Christina Ayres-Smith é casada e mãe de um missionário servindo na Argentina. Atualmente serve na presidência das Moças de sua Ala em Utah, e é a especialista de mídia da Estaca para o Trek que os jovens farão em 2016 em Martin's Cove, Wyoming. Graduada e pós-graduada em Jornalismo e Psicologia, é autora de vários livros publicados e fotógrafa. Para conhecer mais sobre seu trabalho, visite seu site: http://www.caayres.com/

Últimos posts por Christina Ayres-Smith (exibir todos)